Banco do Brasil nega venda de sua participação no IRB

Banco do Brasil nega venda de sua participação no IRB
IRB (Foto: Reprodução)

O Banco do Brasil (BBAS3) informou nesta sexta-feira (8) que não está planejando vender sua participação no IRB Brasil (IRBR3). A informação foi veiculada através da controlada BB Seguridade.

Saiba mais: BB Seguros planeja vender participação no IRB em oferta pública 

A BB Seguridade emitiu um comunicado em resposta ao questionamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A CVM pediu explicações sobre a notícia divulgada na última quinta-feira (8) no jornal “Valor Econômico”, sobre planos de venda de sua participação no IRB Brasil.

“Diferente do que afirma a matéria, não foi tomada qualquer decisão por parte dos órgãos de administração sobre a venda de participação acionária no capital do IRB Brasil“, informou o BB Seguridade em nota.

Além disso, Banco do Brasil, informou que não há qualquer deliberação que oriente a BB Seguridade a vender sua participação acionária. Por isso não haveria qualquer ato que ensejaria a divulgação de fato relevante.

Notícia sobre venda

Segundo o “Valor Econômico”, o Banco do Brasil estuava realizar uma oferta subsequente de ações (“follow-on”) do IRB. O mesmo método de venda utilizado pela Caixa Econômica Federal em fevereiro para vender as ações da empresa detidas pelo fundo Fgeduc.

Entretanto, no caso do BB o processo seria um pouco mais complexo. Isso porque as ações estão vinculadas ao acordo de acionistas. Na cotação atual, a fatia do BB no IRB vale R$ 4,21 bilhões. O Banco do Brasil detém 15,2% das ações da IRB, das quais 13,5% estão vinculadas ao acordo de acionistas.

Além disso, a venda da participação do BB no IRB precisa de autorização do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Superintendência de Seguros Privados.

Segundo o “Valor”, BB Seguros quer se concentrar em seu negócio principal, ou seja a venda de seguros através do canal bancário. Por isso tem interesse em vender as ações do IRB. Entretanto, o Banco não tem pressa para realizar a venda, que poderia acontecer ente nove meses e um ano. Um período muito mais longo em comparação com o que aconteceu com a Fgeduc, que demorou apenas 56 dias para vender sua participação.

O bloco de controle do IRB é dividido entre:

  • BB Seguros Participações,
  • Bradesco Seguros
  • a União
  • Itaú Seguros
  • Fundo de Investimentos em Participações Barcelona, gerido pela Caixa.

As ações do IRB Brasil encerraram as negociações na última quinta-feira (7) com queda de 1,02%. A queda ocorreu depois da divulgação da notícia, e levou as ações a recuar mais de 3% ao longo do dia.

Carlo Cauti

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO