Atletas mais ricos da história das Olimpíadas fizeram fortuna com diversificação

Atletas mais ricos da história das Olimpíadas fizeram fortuna com diversificação
Serena Williams, tenista que já levou três ouros nas Olimpíadas, também cresceu seu patrimônio com um fundo de investimento em startups - Foto: Reprodução/Facebook

Os medalhistas das Olimpíadas que levam ouro para casa ganham, na média, R$ 250 mil, mas diversos atletas olímpicos possuem um patrimônio bem maior que isso, graças à estratégia de diversificação das fontes de renda e também dos investimentos.

Entre as fontes de renda, muitos contam com contratos publicitários de valores altos, patrocínios de grandes marcas e afins. Já entre os investimentos vão desde os mais tradicionais, como os imobiliários, até negócios com diversas empresas. Este é o caso, por exemplo, do snowboarder Shaun White, que ficou milionário antes dos 20 anos.

Apesar de os atletas mais bem pagos das olimpíadas deste ano ganharem algo entre US$ 75 milhões ao ano, como o jogador de basquete Kevin Durant, ou US$ 32 milhões, como o jogador de golfe Rory McIlroy, a lista dos atletas mais ricos reverbera a tese de que os juros compostos sobre o patrimônio são uma verdadeira bola de neve.

A grande maioria de quem saiu bem das arenas esportivas, já considerando a realidade de uma carreira curta e intensa, conseguiu prosperar com base em empreendimentos e investimentos.

Abaixo, confira alguns dos atletas olímpicos com maior patrimônio:

Serena Williams está entre atletas mais ricos, com US$ 240 milhões

No guarda chuva de patrocinadores de Serena Williams constam Nike, Wilson, Aston Martin e Pepsi. A tenista, que é considerada uma das mais bem-sucedidas atletas do segmento, foi medalhista de ouro três vezes.

Do seu patrimônio total, cerca de US$ 94 milhões são vinculados à sua carreira esportiva – exclusivamente.

Contudo, Serena também alavancou seu patrimônio com o investimento em startups, já que a atleta é dona do fundo Serena Ventures, que investe em startups. Além disso, empreende no ramo de roupas esportivas, com a marca Aneres.

Dentro do esporte, mas longe das raquetes, Serena também possui uma fatia de 0,5% dos Miami Dolphins, time de futebol americano.

Roger Federer conquistou US$ 450 milhões

O outro tenista da lista ganhou somente um ouro, mas sua visibilidade ainda maior lhe proporcionou contratos de patrocínio ainda mais robustos.

Além da gigante da alta relojoaria Rolex, Federer já rubricou contratos da Mercedes-Benz, Barilla e Moët & Chandon.

Com isso, tornou-se um dos únicos tenistas a faturar, em um único ano, um montante acima de US$ 100 milhões. Ou seja, na taxa de câmbio atual, o atleta faturou sozinho quase o mesmo que metade do lucro anual das Lojas Renner (LREN3).

Contudo, somente o seu desempenho esportivo lhe foi suficiente para o tornar um dos atletas mais bem pagos de 2020, com US$ 90 milhões ao ano.

Além disso, Federer tem uma fatia societária da empresa de tênis ON, que pode abrir o seu capital em breve.

Floyd Mayweather Jr. fez fortuna de US$ 1,2 bilhão

Saindo do tênis, o boxeador Floyd Mayweather está entre os atletas mais riscos, e possui um patrimônio que ultrapassa a casa de um bilhão de dólares. Nesse caso, contudo, há uma concentração gigantesca fora das olimpíadas e dos patrocínios, com a geração de caixa sendo proveniente de duas grandes lutas.

Com um showbiz descomunal, a luta contra Conor McGregor lhe rendeu US$ 350 milhões de dólares. Ou seja, em um evento, o atleta conseguiu levantar um capital semelhante ao lucro trimestral da Weg (WEGE3).

Anna Kasprzak possui US$ 1,3 bilhão

Assim como diversos empresários de companhias listadas na bolsa, a cavaleira dinamarquesa veio de família abastada e que já estava à frente de negócios antes de ela estar nas olimpíadas.

Sua família é dona da Ecco, companhia da qual Anna é herdeira e possui uma receita anual da casa de US$ 1,46 bilhão de dólares.

A marca de calçados vende seus produtos em mais de 2.200 lojas espalhadas por 90 países, e garantiu a maior parte da renda da montadora de cavalos, que ainda não levou um ouro olímpico para os alpes da Escandinávia.

Apesar disso, ficou em 14º lugar na última vez que participou das Olimpíadas, em 2016, no Brasil.

Ann também mantém um contato direto com os esportes e os seus empreendimentos, já que opera um celeiro privado para cavalos em Haderslev.

Ion Tiriac está entre os atletas mais ricos, com US$ 1,7 bilhão

Seguindo a tradição dos investimentos de longo prazo, o atleta com maior patrimônio é o mais paciente e tem cabelos brancos – e ficou conhecido como o drácula do tênis, por conta da aparência.

O tenista tenista romeno Ion Tiriac fundou um banco, o que lhe rendeu um aumento de patrimônio considerável em relação ao seu desempenho nas quadras.

O Banco Tiriac foi fundado quando o atleta previa prosperar com a queda do comunismo do país – o que deu certo e o deixou com um patrimônio de cerca de US$ 1,7 bilhão.

Segundo a Forbes, a sua fortuna já chegou aos US$ 2 bilhões anteriormente, o que o fez ultrapassar Michael Jordan no passado. Assim, praticar tênis e disputar as Olimpíadas acrescentou grandes volumes ao seu patrimônio, mas diversificar suas fontes de renda foi o que alavancou para a lista de atletas mais ricos.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO