Ambev (ABEV3): Lucro líquido pode cair 29%, com Argentina e Canadá puxando resultado para baixo, prevê Genial

Em prévia dos resultados trimestrais da companhia produtora de bebidas Ambev (ABEV3), a Genial Investimentos projeta um “resultado sólido”, com um lucro líquido de R$ 3,2 bilhões. O valor, contudo, representa uma queda de 29,2% relação lucro do trimestre anterior (4T23).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-Dkp-1.png

Na comparação com o mesmo período do ano anterior (1T23), essa queda no lucro líquido seria de 16,1%.

O analista da Genial Lucas Bonventi, que assina o relatório, comenta que espera-se uma ligeira queda de top-line e uma pequena expansão de margens.”

Para a receita líquida, a Genial espera um resultado de R$ 19,8 bilhões, 0,9% menor que no 4T23 e 3,5% mais enxuto do que no 1T23.

Quanto ao Ebitda da Ambev, a casa aponta uma redução de 11,6% em relação ao 4T23, de R$ 6,3 bilhões (-2,0% em relação a 1T23).

O resultado do 1T24 da Ambev é esperado para o próximo dia 8 de maio.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240.jpg

Argentina e Canadá são detratores de resultado da Ambev (ABEV3), aponta Genial

Os principais destaques positivos devem vir das operações da Ambev no Brasil e da América Central e Caribe (CAC), de acordo com a análise, e a queda do preço do trigo e milho, componentes relevantes do custo de mercadoria da marca, potencializando uma expansão de margens ao longo do ano.

No aspecto negativo, a Genial não demonstra expectativa de melhoras no curto e médio prazo nos segmentos da América Latina do Sul (LAS) – majoritariamente afetada pelo difícil cenário macroeconômico na Argentina, com forte desvalorização da moeda local – e no Canadá, prejudicado por uma indústria fraca.

O pessimismo da casa com as operações estrangeiras da ABEV3 também leva a uma redução na expectativa de volumes para 2024 e 2025.

A casa afirma que enxerga um potencial “baixo” de crescimento na companhia.

Nas operações brasileiras, a casa espera bons volumes no segmento de Cervejas Brasil, com o bom momentum para as marcas premium Corona, Original e Spaten, por exemplo, além da receita por hectolitro conseguindo crescer, ainda que um pouco abaixo da inflação.

Já na operação das bebidas não alcóolicas no Brasil, o trimestre deve ver um crescimento de volumes impulsionado pelas bebidas DLZ (Diet, Light e Zero), como Pepsi Black, Guaraná Zero, Gatorade e isotônicos no geral.

Neste cenário, a research mantém a sua recomendação de “manter” para as ações ABEV3, reduzindo o preço-alvo de 12 meses para R$ 14,00 (antes R$ 15,00).

Nesta terça-feira, as ações da Ambev passaram por uma leve queda na bolsa, de 0,42%, negociadas a R$ 11,90 por papel.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Camila Paim

Compartilhe sua opinião