Semana do Fiagro

Agronegócio: Cromai mira expansão no mercado de soja e cana com inteligência artificial

Agronegócio: Cromai mira expansão no mercado de soja e cana com inteligência artificial
Plantação de cana-de-açúcar. Foto: Pixabay

O agronegócio foi responsável por 26,6% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2020, movimentando cerca de R$ 2 trilhões. Trata-se de um mercado valioso e com grandes oportunidades para startups que exploram tecnologia para melhorar a qualidade do setor. É o caso da Cromai, que une agronomia, mecatrônica e inteligência artificial (IA) para implementar soluções inovadoras.

Por meio de inteligência artificial, a Cromai oferece um serviço de visão computacional que identifica padrões nas imagens das plantações coletadas por drones. A análise do software da agtech faz diagnósticos sobre a presença de ervas daninhas e a qualidade da lavoura.

Um dos diferenciais da startup é seu contato com os maiores mercados do agronegócio brasileiro: o de cana-de-açúcar, carro-chefe das soluções da agtech, e o de soja. A maior parte de seus clientes são usinas e distribuidoras de insumos.

Hoje, a startup processa mais de 4 milhões de amostras de ervas daninhas, a maior parte de cana-de-açúcar, e seu sistema de IA também controla a qualidade da cana que será entregue aos fornecedores de seus clientes.

“Nosso serviço permite uma redução de custos gigante e maior produtividade para o mercado de cana. Atualmente, um dos maiores custos dessa área é com herbicida para as ervas daninhas. Com nossa solução, é possível identificar as áreas específicas prejudicadas e agir in loco, sem pulverizar a plantação inteira. É uma redução de quase 70% do uso do herbicida”, explica Guilherme Castro, CEO da Cromai.

Castro destaca que, sem o uso indiscriminado de herbicidas na plantação inteira, a qualidade do produto é melhor e a produtividade da plantação, maior. “Foi a verificação prática da nossa solução no mercado de cana que impulsionou nosso crescimento nos últimos anos”.

Imagem de software da Cromai.
Imagem de software da Cromai. Foto: Reprodução/ site

Sem dinheiro, mas com uma ideia

Para tirar os planos da Cromai do papel, Guilherme Castro contou apenas com seus parceiros fundadores, Marcos Fogagnoli e Diogo Dutra, e com o financiamento de empresas do agronegócio que seriam as beneficiadas pelo serviço da startup.

“Contamos com a vantagem de ter acesso direto ao mercado agro do Brasil, um dos maiores do mundo. A partir disso, tivemos que desenvolver uma estratégia comercial para superar o primeiro e maior obstáculo: mostrar o valor do produto e o potencial de retorno rápido para conseguir um financiamento”, conta Castro.

Assim, em 2017, a Cromai começou seus trabalhos e desde então acumula prêmios e crescimento. No fim de 2021, a agtech contava com mais de 20 clientes, entre eles, seis dos 10 maiores grupos de usinas de cana-de-açúcar do Brasil.

A área monitorada pela agtech chegou a 60 mil hectares em dezembro, um crescimento de 5 vezes o total monitorado em 2020. Além disso, sua solução para a agricultura resultou em um prêmio internacional pela Startup Insights: a Cromai foi eleita uma das 5 startups mais promissoras do mundo no agronegócio.

Embora já tivesse recebido financiamento de empresas anteriormente, foi só no ano passado que a empresa conseguiu realizar sua primeira rodada de investimentos, uma captação semente com o Grupo Stoller, empresa americana de nutrição e fisiologia vegetal, de R$ 5 milhões.

Em 2022, parte dos recursos dessa rodada de investimentos será utilizado para melhorias na tecnologia e sofisticação da IA para oferecer o mesmo serviço realizado com a cana-de-açúcar em soja. “Por nosso contato com o mercado de cana, já nos demandam a mesma solução para a soja“. lembra Castro.

O objetivo da Cromai é entrar no mercado de soja aos poucos neste ano e atender pelo menos 500 produtores da oleaginosa no próximo ciclo de safra. “Vamos popularizar a solução de detecção de ervas daninhas em soja, como aconteceu com a cana”, diz Castro.

Cromai cresce com apoio da AWS e mira novo aporte

Para aumentar a área monitorada, o processamento de imagens e a capacidade da inteligência artificial, a Cromai conta com um parceiro de peso: a Amazon Web Services (AWS).

Castro conta que o aumento de clientes e da operação foi muito grande em 2021 e, para acompanhar o ritmo neste ano, a agtech buscou um parceiro estratégico de tecnologia. “A AWS é uma plataforma muito completa e oferece outros programas de apoio para ajudar a escalar o negócio, o que é ideal para nós neste momento de expansão”, diz o CEO.

Diogo Cosin, que é o líder de IA da Cromai, conta que a estrutura da AWS é complexa e exige uma curva de aprendizado para dominar a plataforma, mas é consistente e robusta o suficiente para suportar os novos desafios que a Cromai deve ter em 2022.

“A parceria dispõe de um conjunto de especialistas para nos dar suporte, além de nos colocar em contato com outras startups que podem compartilhar conhecimento e soluções para projetos futuros”, diz Cosin.

Com a nova parceria engatilhada, os planos de expansão da agtech estão a todo vapor. Embora o aporte do Grupo Stoller tenha sido recente, já está no horizonte da empresa uma nova rodada de Série A.

Ainda não existe uma data, mas as conversas apontam para o aporte já no primeiro semestre deste ano. “Com um novo investimento, pretendemos ultrapassar a marca de 1 milhão de hectares em dois anos, com um crescimento forte em cana e soja, além de milho e algodão”, afirma o CEO da Cromai.

Monique Lima

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO