Ações do Magazine Luiza (MGLU3) podem valorizar até 40%, segundo Safra

Ações do Magazine Luiza (MGLU3) podem valorizar até 40%, segundo Safra
Ações do Magazine Luiza (MGLU3) podem valorizar até 40%, diz Safra

A Safra Corretora divulgou nesta quinta-feira (3) uma análise sobre as ações do setor de varejo online, revelando uma perspectiva positiva. Segundo o relatório, as três empresas analisadas recebem recomendação de compra, sendo a principal delas do Magazine Luiza (MGLU3).

De acordo com o Safra, ” a opção preferida dos nossos analistas Guilherme Assis e Felipe Reboredo é Magazine Luiza (MGLU3), com preço-alvo de R$ 32, o que implica um potencial de valorização de quase 40%”.

Enquanto para Lojas Americanas (LAME4), o preço-alvo calculado é de R$ 34, e o da sua controlada B2W Digital (BTOW3) é de R$100.

“Nosso time destaca que, globalmente, as ações de comércio online e de tecnologia tiveram a melhor recuperação em 2020, em meio ao salto das vendas digitais gerado pela pandemia de Covid-19“, informou o Safra.

A corretora informou ainda que apesar dos múltiplos relativamente altos, as companhias devem se beneficiar do novo nível de penetração do e-commerce no Brasil.

As empresas também devem adicionar novos fluxos de receita que atenderão a consumidores e lojistas, justificando uma expansão nos múltiplos de avaliação, disseram os analistas. “Além disso, a recente rotação no portfólio de ações dos investidores, direcionada para papéis mais descontados, criou um bom ponto de entrada para os três nomes”.

Segundo dados da Safra Corretora, as Lojas Americanas e B2W tiveram queda de 37% e 46%, respectivamente,  desde o pico em julho. Ao passo que o Magazine Luiza caiu 16% em relação ao seu máximo histórico registrado no início de novembro.

Além disso, durante a pandemia da covid-19, 7,7 milhões de brasileiros fizeram sua primeira compra online, e até mesmo os consumidores recorrentes buscaram uma gama muito mais ampla de produtos. Diante disso, o crescimento das vendas passou de 14%, antes da pandemia, para 40%, e a penetração do e-commerce atingiu 11%, ante 8%.

Desta forma, competidores locais e menos preparados perderam market share para grandes varejistas que já contavam com uma plataforma digital evoluída e com logística de entrega, informou a corretora.

O forte crescimento das vendas e a rápida transformação digital levaram a uma valorização acumulada no ano de 103% para as ações do Magazine Luiza, e 22% para ações B2W, o que se compara a uma queda de 4% do Ibovespa, concluiu o Safra.

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião