Yduqs (YDUQ3) e mais ações do setor disparam nesta quarta-feira no Ibovespa; veja motivos

As ações de Yduqs (YDUQ3) disparam no Ibovespa nesta quarta-feira (6), liderando os ganhos do índice, com o mercado reagindo positivamente à notícia de que o Ministério da Educação (MEC) regulamentou o Fies Social, que garante 100% de financiamento estudantil a jovens de baixa renda, o que pode beneficiar as empresas educacionais. Neste sentido, outras companhias do setor também avançam na bolsa brasileira.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-Dkp-1.png

No intradia, as ações de Yduqs disparavam 3,73%, cotadas a R$ 21,14. No mesmo horário, as ações ordinárias de Anima (ANIM3) e Ser Educacional (SEER3) também avançavam 0,78% e 0,62%.

Cotação YDUQ3

Gráfico gerado em: 06/03/2024
1 Dia

“Hoje, as ações do setor de Educação estão em alta na esteira de uma expectativa de melhora nos resultados com mudanças no FIES mediante o PL 167/2024, que permitiria o financiamento de até 100% para estudantes de renda familiar até meio salário mínimo. Segundo relatório do JP Morgan (JPMC34), essa medida impactaria positivamente a Anima (ANIM3) e Ser Educacional (SEER3) em maior magnitude, além da Yduqs (YDUQ3)“, disse Fábio Lemos, sócio da Fatorial Investimentos.

Na última segunda-feira, o Ministério da Educação (MEC) publicou uma portaria que regulamenta o Fies Social, que vai garantir, no mínimo, 50% da vagas do Fundo de Financiamento Estudantil em casa processo seletivo para estudantes de baixa renda.

Ainda de acordo com o documento, o aluno também poderá obter 100% de financiamento do valor cobrado pelo curso nas instituições de ensino superior, condicionado à disponibilidade orçamentária do Fies.

Para acessar o benefício, o estudante deverá ter renda familiar per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 706), e ser inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).

No Fies Social, será aplicada uma reserva de vagas a estudantes autodeclarados pretos, pardos, indígenas e quilombolas, bem como com deficiência, conforme a proporção na população da unidade da Federação onde estiver instalada a instituição, segundo o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Caso as vagas não sejam preenchidas, conforme os critérios estabelecidos, as remanescentes deverão ser destinadas, primeiramente, aos estudantes autodeclarados pretos, pardos, indígenas e quilombolas ou com deficiência. Posteriormente, serão disponibilizadas à ampla concorrência. 

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240.jpg

Yduqs (YDUQ3) e Ânima (ANIM3) são as preferidas do setor de educação para 2024, segundo o BBA

Em relatório divulgado no início deste ano,  analistas do Itaú BBA pontuaram que não esperam em 2024 grandes mudanças para o setor educacional brasileiro com as tendências observadas no ano anterior. Mas os estrategistas forneceram uma perspectiva “cautelosamente otimista” e preferência pela Yduqs e Ânima.

“A menos que ocorram alterações regulatórias, é provável que o ensino a distância continue experimentando um sólido crescimento na captação com desempenho mais lento no ticket médio, enquanto a educação presencial pode ver uma queda nos volumes. Ainda assim manterá o ritmo com a inflação”, afirmaram os analistas Vinicius Figueiredo, Lucca Marquezini e Felipe Amâncio.

No caso da Yduqs, a companhia deve continuar positiva no curto prazo, diz o Itaú. Já a Ânima ainda possui grande potencial de valorização, na visão dos analistas, principalmente na vertical médica Inspirali. Apesar da alta alavancagem financeira e dos riscos intrínsecos, a companhia está focando em ganhos de eficiência e rentabilidade.

Ainda de acordo com o Itaú BBA, mesmo com resultados favoráveis observados nos primeiros nove meses do ano passado, o banco continua com uma abordagem conservadora em relação ao setor de ensino superior no Brasil.

“Esse setor tem uma exposição elevada a mudanças regulatórias, como o programa Fies e alterações no marco regulatório do ensino a distância. Além disso, o ‘valuation’ do setor de educação já não está mais tão atrativo como no passado, o que exige uma análise mais detalhada para a escolha de ações”, acrescentaram.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião