XP e Faros, seu maior escritório, fecham acordo para formar nova corretora

XP e Faros, seu maior escritório, fecham acordo para formar nova corretora
Foto: Divulgação XP

A XP e a Faros Investimentos, maior escritório de agentes autônomos da plataforma, com R$ 20 bilhões vinculados, criaram uma nova corretora de investimentos.

Com essa parceria, a XP garante seus três maiores escritórios em sua plataforma, os quais têm sido recorrentemente assediados pela concorrência, especialmente pelo BTG Pactual (BPAC11).

A participação da XP será inferior a que tem entrado em outros escritórios, ficando com participação de 28% no novo negócio, enquanto a Faros será a detentora de 72%. A nova corretora estará voltada para o segmento Private usando todo o ecossistema.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Nascida há dez anos, por Samy Botsman e Felipe Bichara, a Faros se juntou à XP em 2013. A parceria fez a empresa crescer mais de 20 vezes em ativos sob assessoria chegando a uma equipe sênior de 100 assessores.

Na semana passada, em reação as investidas do concorrente BTG Pactual, a XP assegurou a presença do escritório de agentes autônomos Monte Bravo, com R$ 17 bilhões em ativos sob custódia na plataforma, em sua rede de parceiros que havia manifestado uma possível intenção de migrar para o BTG Pactual. Dias antes, a empresa de Guilherme Benchimol havia firmado sociedade com a Messem Investimentos, que tem R$ 15 bilhões sob custódia. Nas duas, a XP será sócia com participação de 49,9%.

Corrida XP-BTG

A aceleração das parcerias da XP com seus escritórios responde a iniciativas de seus concorrentes, como o BTG Pactual que tem assediado os maiores agentes autônomos da rival, oferecendo esse tipo de parceria.

No último dia 17, a Acqua-Vero, que também faz parte do grupo dos maiores da XP e tem R$ 8,5 bilhões sob custódia, se desligou, rumo ao BTG Pactual, que será seu sócio quando esta virar uma corretora.

A XP defende que tem investido nos escritórios em que enxerga potencial de se sobressaírem em seu negócio como corretora. O modelo apresentado é de white label e corretora light, ou seja, a companhiaentra com a estrutura nessa parceria e o escritório apresenta seu nome e marca ao cliente, além de estar livre para vender ativos de outras plataformas.

(Com Estadão Conteúdo)

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se