XP acusa Acqua-Vero de quebra de contrato e pede multa de R$ 134mi

XP acusa Acqua-Vero de quebra de contrato e pede multa de R$ 134mi
XP pede o dobro do valor que investiu para fusão e expansão dos escritórios Acqua e Vero, dando origem ao Acqua-Vero - Foto: Divulgação XP

A XP Investimentos acusou a Acqua-Vero de quebra de contrato logo após o escritório de investimentos associado pedir rescisão de contrato na segunda-feira (24), e pediu o pagamento de uma multa de R$ 134 milhões, segundo o jornal O Estado de S.Paulo.

 

O valor é duas vezes maior do que o montante que a XP diz ter investido para a expansão e fusão entre os dois escritórios – que então deram origem à Acqua-Vero, maior escritório de SP em assessoria de investimentos.

O escritório, por sua vez, alega que a rescisão se deu por justa causa, com efeitos imediatos da ruptura, conectando-se ao BTG Pactual (BPAC11) a partir desta terça-feira (25), mirando uma oferta pública de ações (IPO, do inglês) no longo prazo.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Em comunicado, a Acqua-Vero citou que algumas regras do contrato não estariam sendo obedecidas, o que motivou a decisão de rescisão imediata.

Já na última semana, o escritório anunciou que realizaria o movimento de deixar a XP e, em decorrência disso, estaria cumprindo um período de 60 dias de aviso prévio.

A Acqua-Vero não estaria conseguindo acessar o software de gestão dos clientes, o que estaria impedindo o trabalho do escritório, conforme dito pelo escritório, em nota.

“Nossa intenção sempre foi cumprir todos os termos do contrato até o final do período de aviso prévio, mas, diante das infrações, não vimos outra saída senão a rescisão imediata por justa causa”, disse Eduardo Siqueira, co-fundador da Acqua-Vero.

Acqua-Vero era um dos maiores da XP

A Acqua-Vero, conforme citado, já estava em vias de deixar a XP. Na segunda-feira passada, dia 17, o escritório se desligou, sendo um dos maiores sob o guarda-chuva da corretora, com R$ 8,5 bilhões sob custódia.

O escritório possui um total de 16 filiais atualmente, abarcando 16 localidades – incluindo São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Velo Horizonte, Campinas e Fortaleza.

Dentre as metas de longo prazo do escritório, constam:

  • Chegar a marca de 100 escritórios
  • Ampliar a carteira de R$ 8,5 bilhões para R$ 12 bilhões
  • Chegar a 350 profissionais ativos

Com essas ambições, a Acqua-Vero pretende abrir capital na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) em um horizonte de três anos, agora vinculada ao BTG.

Logo após deixar a XP, em nota, o escritório afirma já dar continuidade aos  “planos de se transformar em uma corretora de valores e futuramente fazer um IPO”.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO