Resultados do 2T22

Warren Buffett não desiste do Nubank (NUBR33) mesmo após queda das ações

Warren Buffett não desiste do Nubank (NUBR33) mesmo após queda das ações
Fundadores do Nubank: Edward Wible, David Vélez e Cristina Junqueira. Foto: Divulgação do IPO

A posição da Berkshire Hathaway (BERK34) – empresa do Warren Buffett – no Nubank (NUBR33) se manteve em 107.118.784 de ações ao fim de março, mesmo valor do final de dezembro, após a abertura de capital da fintech. É isso que mostra o relatório 13F apresentado pela empresa nesta segunda (16), com a descrição da carteira de investimentos do primeiro trimestre.

Embora a quantidade de ações do Nubank seja a mesma, equivalente a 2,3% de participação no banco digital, o valor dessa posição já não é mais o mesmo: a desvalorização dos papéis desde o IPO fez o valor cair de US$ 1,005 bilhão para US$ 826,9 milhões.

Considerando a data de referência de 31 de março do relatório da Berkshire Hathaway, as ações da Nu Holdings, listadas em Nova York, caíram 25,27% no período, saindo de um preço de US$ 11,45 – após a alta de 14% durante o IPO – para US$ 7,72.

Nesta terça (17), após a entrega dos resultados do 1T22, os papéis apresentam alta em Wall Street. Por volta das 10h55 (horário de Brasília), a subida era de 6,78%, para US$ 4,65.

No primeiro trimestre de 2022, o banco roxinho viu um crescimento de 63% na receita média mensal por cliente ativo, considerando a comparação anual, para US$ 6,7. No total, a receita somou US$ 877,2 milhões no período, um salto de 226% em um ano.

O Nubank atingiu 59,6 milhões de cliente ao fim de março. O mercado, entretanto, estava pessimista em relação aos números da fintech e colocou as expectativas ruins nas ações da Nu Holdings, que caíram 9% no dia da divulgação do balanço.

Posição do Warren Buffett na NU Holdings

A Berkshire Hathaway (BERK34), do investidor Warren Buffett, anunciou a compra de fatia significativa da HP (HPQB34).
Warren Buffett

A aposta de Warren Buffett no roxinho, porém, é de longa data. Em junho de 2021, quatro meses antes do IPO do Nubank, o bilionário fez um aporte de US$ 500 milhões no banco digital. E não parou por aí…

Segundo a Bloomberg, antes da oferta inicial de ações, a Berkshire Hathaway chegou a aumentar sua participação na fintech brasileira para 10% das ações colocadas à venda da oferta inicial.

Quando abriu o capital, o banco digital chegou a ser avaliado em US$ 41,5 bilhões, valor que fez dele o maior banco listado da América Latina – superando o Itaú (ITUB4), que tradicionalmente lidera o ranking.

Resultado do Nubank no 1T22

O Nubank (NUBR33) divulgou nesta segunda (16) os resultados do seu desempenho operacional no primeiro trimestre de 2022 (1T22). A empresa reduziu o prejuízo líquido para US$ 45,1 milhões no 1T22, número que representa uma queda de 9% ante os US$ 49,4 milhões registrados entre janeiro e março de 2021.

Ao final do pregão de ontem, as ações do Nubank listadas em Nova York recuaram 9,75%, para US$ 4,35, antes da divulgação do balanço financeiro, mas passaram a subir 8% no pós-mercado, com os investidores refletindo positivamente o balanço.

De acordo com analistas ouvidos pelo Broadcast, o prejuízo do trimestre veio 26,8% menor do que o previsto.

A redução do prejuízo líquido do Nubank é consequência, segundo a fintech, do menor aumento das despesas comparado ao crescimento da receita, alavancado pelo crescimento das operações e da base de clientes do banco em todos os países.

Leia mais aqui:

Monique Lima

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO