Sem pagamentos à Oi (OIBR3), Vivo (VIVT3) e Tim (TIMS3) podem esperar números melhores, diz BTG

Neste trimestre, a Vivo (VIVT3) deve encontrar um Ebitda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) mais animador, sem os pagamentos da transição de serviços com a Oi (OIBR3). Somado ao crescimento da receita acima da inflação, a empresa deverá ter um Ebitda ajustado de R$ 5,3 bilhões, um crescimento de 7,8% na comparação anual, estima o BTG Pactual.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2022/04/oibr3-materia-desktop.jpg

Além da Vivo, os analistas da casa também esperam dados de crescimento bons para a Tim (TIMS3), que também encerrou os pagamentos à Oi.

Telefonia da Vivo deve aumentar receitas em 8,2% a.a.

Segundo os analistas do BTG Pactual Carlos Sequeira (CFA), Osni Carfi, Guilherme Guttilla, as tendências positivas persistem para a empresa da Telefônica neste primeiro trimestre do ano (1T24). As expectativas são de que a receita do serviço de telefonia cresça na casa de 8,2% na ano a ano (a.a.), em relação ao 1T23, superando a inflação oficial de 4%.

Sem precisar aumentar os preços da Vivo, a companhia de telecomunicação apenas repassou taxas de ICMS mais altas em alguns estados.

No segmento de linhas fixas, os analistas detectam uma desaceleração, com crescimento de 2,2% no ano, menor do que os 3,5% de crescimento vistos no quarto trimestre de 2023, devido a comparações difíceis com um grande contrato que a empresa assinava no 1T23.

Além disso, o BTG espera “resultados decentes no segmento de fibra”, enquanto os negócios tradicionais de banda larga e TV a cabo devem registrar uma queda na receita.

Por fim, o EBITDA ajustado da Vivo deve crescer em 7,8% na comparação anual, graças às receitas acima da inflação e o encerramento do TSA, o acordo de serviços de transição com a Oi (OIBR3). Desde 2022, a Vivo tem pego à companhia em recuperação judicial R$ 50 milhões a cada trimestre.

O pagamento foi finalizado no primeiro trimestre de 2023 e por isso, a comparação anual deve denunciar um crescimento de EBITDA volumoso, descontados os pagamentos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop.jpg

Tim (TIMS3) deve entregar margens melhores

Segundo os analistas do BTG, a receita da Tim também deverá vir melhor neste trimestre, superando a inflação.

A companhia também não precisou reajustar os preços dos planos de telefonia no período, sendo que já o havia feito ao final de 2023. Na comparação anual, portanto, a receita deve ter um crescimento de 7,0% nos serviços de telefonia, segundo o BTG.

A receita das linhas fixas também deve registrar um tímido crescimento de 4%, ainda que superando o de 1,6% do trimestre anterior.

Além disso, a casa espera que o EBITDA da Tim seja um destaque nos dados, com R$ 2,8 bilhões, crescimento de 9,8% na comparação anual e margens de 47,2%.

“A Tim também deve se beneficiar do fim dos contratos de TSA – a empresa pagava a Oi R$ 75 milhões por trimestre e os pagamentos encerraram em abril de 2023”, comentam os analistas.

“O ponto final é que [a Tim] deve melhorar muito em comparação ao ano passado para R$ 544 milhões (+32% a.a.) e o capex deve ser de R$ 1,3 bilhão”, concluem os analistas.

Ações VIVT3 e TIMS3: Hora de comprar?

Para os analistas do BTG, a recomendação para ambos ativos VIVT3 e TIMS3 é de “compra”.

O preço-alvo para ações da Vivo é de R$ 51,53 (com papéis negociados hoje a R$ 50) e para as ações da Tim, R$ 18,54, cotadas atualmente a R$ 17,51.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Camila Paim

Compartilhe sua opinião