Vale (VALE3) comemora condenação de Beny Steinmetz na Suíça

Vale (VALE3) comemora condenação de Beny Steinmetz na Suíça
Em nota enviada à CVM, a Vale (VALE3) comemorou a condenação de Beny Steinmetz na Suíça, e diz confiar na Justiça brasileira.

Em nota enviada à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na noite do último sábado (23), a Vale (VALE3) comemorou a condenação de Beny Steinmetz, bilionário israelense, ex-controlador da BSGR e sócio da mineradora em uma antiga joint venture na República da Guiné. Ele foi condenado a cumprir cinco anos de prisão na Suíça.

O negócio entre a Vale e Steinmetz foi quebrado após ser revelada a prática de corrupção e suborno do empresário para garantir a exploração no país africano. Ele também terá de pagar uma multa de 50 milhões de francos suíços (cerca de R$ 308,79 milhões).

A companhia também disse que confia na Justiça brasileira para que Steinmetz não desvie o foco de seus crimes.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

“A Vale tem confiança de que as autoridades brasileiras também não serão enganadas pelas contínuas tentativas de Steinmetz de inverter responsabilidades e desviar a atenção de seus atos corruptos”, afirma a companhia no documento.

A Vale ressalta que a decisão da Justiça suíça está de acordo com a sentença do Tribunal Arbitral Internacional de Londres, em abril de 2019, que considerou que a BSGR incorreu em fraude contra a mineradora ao ocultar os crimes.

Ebook Gratuito
Baixe agora nosso
Guia de Investimentos para 2021
Confira gratuitamente quais são nossas perspectivas para o ano.

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

O caso e a acusação de Steinmetz sobre a Vale

O tribunal suíço concluiu, com base nas provas obtidas pelo governo da Guiné e por testemunhas, que, em 2008, o Steinmetz corrompeu Mamadie Touré, a quarta esposa do então ditador guineano, Lansana Conté, com o objetivo de conseguir os direitos de exploração dos blocos 1 e 2 da mina de ferro de Simandou. A mina fica no no sudeste do país, e é a maior reserva de ferro ainda intocada no planeta.

Em 2010, o empresário vendeu metade do direito de exploração para a Vale, em um acordo de US$ 2,5 bilhões. A mineradora, contudo, só pagou US$ 500 milhões, pouco antes do negócio ser interrompido. Em 2015, quando a sociedade foi oficialmente desfeita, e a Vale processou Steinmetz na Corte de Londres.

No início do julgamento na Suíça, o empresário disse que a Vale tinha o objetivo de ficar com 100% de sua exploração no país africano e que a empresa “mentiu” no processo em que abriu contra ele.

Steinmetz declarou que ainda “existem novas coisas que vão sair e mostrar que a Vale mentiu durante o processo [em Londres]”, garantindo que ainda tem “possibilidade de ganhar”. Apesar da condenação, o bilionário vai recorrer da sentença em liberdade.

Com informações do Estadão Conteúdo. 

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião