DIVIDENDOS

Patrocinado por:

SoftBank compra participação na startup brasileira Cobli

SoftBank compra participação na startup brasileira Cobli
SoftBank prevê ampliação de investimentos na América Latina no longo prazo - Foto: Reprodução Site SoftBank

O fundo japonês SoftBank está liderando uma rodada de financiamento de R$ 175 milhões (aproximadamente US$ 35 milhões) na Cobli, uma startup brasileira de logística.

O Latin America Fund da SoftBank é acompanhado pela Qualcomm Ventures na arrecadação de fundos, assim como os atuais acionistas da Cobli, incluindo Valor Capital, informou o cofundador Rodrigo Mourad, que criou a startup em 2017, junto com Parker Treacy.

A startup com sede em São Paulo gerencia frotas conectando um dispositivo aos veículos e reunindo informações que ajudam a planejar melhores rotas e prevenir danos e atende a mais de 3.000 empresas, incluindo varejistas e firmas de manutenção de telecomunicações.

De acordo com a Bloomberg, os recursos serão usados ​​para lançar um produto de seguro e expandir sua base de clientes, além de contratar mais 300 funcionários até 2022.

O investimento na Cobli faz parte da expansão do SoftBank no Brasil. O conglomerado japonês investiu em tudo, desde empresas de serviços de entrega, como Loggi, a banco digital, aluguel de casas, corretoras de criptografia a e-commerce.

O Softbank planeja investir US$ 5 bilhões adicionais em empresas latino-americanas, dobrando seu compromisso com a região, conforme informou a Bloomberg em julho.

SoftBank injetou US$ 200 mi no Mercado Bitcoin

No início deste mês, o SoftBank injetou US$ 200 milhões (cerca de R$ 991 milhões) no Mercado Bitcoin, plataforma brasileira de negociação de criptomoedas. Com isso, a plataforma passou a ser avaliada em US$ 2,1 bilhões e se tornou o primeiro unicórnio de criptomoedas da América Latina.

O aporte foi recebido por meio da 2TM, controladora do Mercado Bitcoin, e foi anunciado no dia 1º de julho deste ano. A empresa será oitava maior entre as cerca de 20 startups unicórnios da região, ficando atrás de empresas como Nubank, iFood e Stone.

O investimento do SoftBank foi de Série B. Nesta categoria, esse foi o maior aporte já recebido por uma startup no Brasil, além de ser o mais volumoso investimento feito pelo grupo asiático no segmento de criptomoedas na América Latina.

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se