Governo orienta Procons a abrir processos contra Apple (AAPL34) e Samsung; veja motivo

Governo orienta Procons a abrir processos contra Apple (AAPL34) e Samsung; veja motivo
Senacon

A venda de telefones celulares sem os carregadores de energia levou a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), ligado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, a orientar mais de 900 Procons do país a abrirem processos administrativos contra a Apple (AAPL34) e a Samsung.

Segundo nota divulgada ontem (12) pela Senacon, a abertura dos processos vai servir para que as empresas apresentem explicações para a retirada dos carregadores e até mesmo para tomarem medidas que garantam a satisfação dos consumidores.

A retirada dos carregadores foi anunciada pela Apple em outubro de 2020. A empresa disse que iria deixar de incluir o carregador na venda do iPhone 12. A estratégia foi mantida no lançamento do iPhone 13, no ano passado. Já a Samsung anunciou a retirada do carregador e do fone de ouvido em janeiro de 2021, para a linha de celular Galaxy S21. As empresas justificaram a decisão com o argumento de redução do impacto ambiental.

A medida fez com que Procon de São Paulo aplicasse uma multa superior a R$ 10,5 milhões contra a Apple. Em Fortaleza, a multa aplicada pelo órgão de defesa do consumidor foi de R$ 26 milhões. O valor foi dividido com a Samsung.

“De acordo com estimativas dos órgãos de Defesa do Consumidor, se apenas cerca de metade dos Procons (450) penalizasse em R$ 10 milhões cada uma das duas gigantes tecnológicas, elas teriam de remeter ao fundo de recursos dos Procon nada menos que R$ 9 bilhões”, informou a Senacon.

Apple perde posto de empresa mais valiosa do mundo; veja para qual companhia

Apple costumava ser a empresa mais valiosa do mundo, mas nesta semana o posto passou para a Saudi Aramco. No fechamento da quarta-feira, a estatal do petróleo da Arábia Saudita superou a Apple em valor de mercado.

Por volta do meio do dia da quinta-feira, o valor de mercado da Saudi Aramco estava perto de US$ 2,383 trilhões, ante US$ 2,298 trilhões da Apple, segundo a Dow Jones Market Data.

A Apple é um investimento buscado tanto por investidores de varejo quanto institucionais, por sua capacidade geral de superar contratempos do mercado. Mas os investidores parecem estar reavaliando seu amor pela fabricante do iPhone.

Com informações da Agência Brasil

Ana Carolina Cury

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO