Selic: por que o Copom deve interromper cortes dos juros em junho, segundo a XP

A XP espera que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) interrompa o ciclo de redução na taxa básica de juros da economia brasileira, a Selic, em sua próxima decisão. A próxima reunião está agendada para os dias 18 e 19 deste mês. No último encontro, houve um corte de 0,25 ponto percentual, em uma decisão dividida, contrariando o guidance anterior que indicava uma redução de 0,5 ponto percentual.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-2.png

“O desafio da política monetária aumentou com a alta das expectativas de inflação. Acreditamos que o Copom interromperá o ciclo de flexibilização na próxima reunião (em 10,50%). Diante do nível de incertezas acima do usual, consideramos, por ora, o mesmo patamar para 2025”, dizem os analistas.

O banco estima que a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) será de 3,7% em 2024 e de 4,0% em 2025.

Além disso, a XP mantém a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2,2% para este ano e 1,7% em 2025. “A inflação de curto prazo segue bem-comportada a despeito da deterioração das expectativas, incertezas sobre o impacto das enchentes no Rio Grande do Sul e mercado de trabalho aquecido”, pontua.

Quanto ao dólar, a XP prevê uma taxa de R$ 5 no final de 2024 e R$ 5,15 no final de 2025, destacando que a desvalorização atual do real é influenciada pela ampliação do diferencial de juros e pelos fundamentos econômicos.

Em relação ao Federal Reserve, o Fed, dos Estados Unidos, os estrategistas preveem o início do ciclo de cortes de juros somente em dezembro. No entanto, ressaltam que esse atraso não deve impedir redução de juros em outras regiões no curto prazo, embora possa limitar seu ritmo e magnitude. Os economistas da XP indicam ainda a continuidade dos riscos geopolíticos como um fator relevante a ser considerado.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-1.png

Focus prevê inflação a 3,88% neste ano

O mercado financeiro aumentou pela quarta vez consecutiva a previsão da inflação para 2024, de acordo com o boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (3) pelo Banco Central (BC). O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) agora é estimado em 3,88% para 2024, ante 3,86% na semana anterior e 3,72% há quatro semanas.

Essa projeção está dentro do intervalo de meta de inflação estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que é de 3%, com uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, resultando em um limite inferior de 1,5% e um superior de 4,5%.

O Focus também mostra uma elevação na previsão da taxa básica de juros, a Selic, para este ano. A estimativa é de que a taxa encerre 2024 em 10,25%, enquanto atualmente está em 10,5%. Na semana anterior, os analistas projetavam a Selic em 10% e há quatro semanas a previsão era de 9,63%.

Em relação ao crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), a previsão para este ano permaneceu em 2,05%, conforme estimado pelos técnicos consultados pelo BC. Para os próximos três anos (2025, 2026 e 2027), a expectativa é de um crescimento de 2%.

Quanto ao câmbio, o Focus manteve a projeção de que o dólar encerre 2024 em R$ 5,05, assim como na semana anterior. Há quatro semanas, os analistas estimavam o dólar em R$ 5. Para os anos seguintes, a previsão é de que o dólar se mantenha em R$ 5,05 em 2025 e suba para R$ 5,10 em 2026 e 2027.

Selic deve ficar acima de dois dígitos até primeiro trimestre de 2025, estima BB

Na avaliação de especialistas do BB, a dificuldade de convergência da inflação para o centro da meta deve contribuir para uma “flexibilização mais lenta” da taxa Selic. Dessa forma, a expectativa é que a taxa básica de juros encerre o ano em dois dígitos.  

A perspectiva da equipe de análise do BB é que a taxa Selic encerre este ano em 10,25% ao ano. Anteriormente, a previsão é que a taxa de juros da economia brasileira terminasse 2024 em 9,75% ao ano.

Além disso, os especialistas indicaram que a Selic deve ficar em dois dígitos até o primeiro trimestre de 2025. Apesar disso, o BB manteve a perspectiva de que os juros encerrem o próximo ano em 9% ao ano.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Murilo Melo

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno