Saraiva (SLED4): Assembleia sobre recuperação judicial é adiada pela 5ª vez

Saraiva (SLED4): Assembleia sobre recuperação judicial é adiada pela 5ª vez
Saraiva (SLED4): Assembleia sobre recuperação judicial é adiada pela 5ª vez

A assembleia que decidirá sobre a recuperação judicial da Livraria Saraiva (SLED4) foi adiada pela quinta vez nesta terça-feira (26) após mais de 70% de seus credores aprovarem. As informações são do jornal “O Globo”.

A Saraiva alegou precisar de mais tempo novamente, sob o argumento de que irá ajustar ainda seu plano de recuperação. A nova assembleia está marcada para 26 de fevereiro deste ano.

A rede de livrarias aprovou no ano passado seu plano de recuperação judicial, no entanto, suas operações foram prejudicadas pela pandemia do coronavírus (Covid-19). O que levou a empresa a tentar uma nova negociação com os credores na tentativa de aprovar um novo desenho que seja viável.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

De acordo com o jornal, as opções da Saraiva são:

  • Vender apenas seu site, por valor mínimo de R$ 150 milhões;
  • Vender o site e algumas lojas, a critério do comprador, em pacote sem valor pré-determinado;
  • Vender grande parte de suas lojas por no mínimo R$ 189 milhões, e quem comprar o site poderá licenciar a marca para operar o e-commerce.

As dívidas da livraria somam cerca de R$ 600 milhões. Além disso, vale ressaltar que na virada do ano, Deric Guilhen foi substituído interinamente por Marcos Guedes, diretor executivo da KR Capital.

Ebook Gratuito
Baixe agora nosso
Guia de Investimentos para 2021
Confira gratuitamente quais são nossas perspectivas para o ano.

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

Saraiva fecha mais lojas e divulga plano para evitar falência

A Livraria Saraiva divulgou em outubro de 2020 sua nova proposta de alteração ao plano original de recuperação judicial. O plano anterior previa a divisão da operação remanescente da empresa em três unidades produtivas isoladas (UPI), que seriam colocadas à venda para possíveis interessados, ao passo que a nova proposta é de que a companhia se desfaça de apenas de uma das unidades.

De acordo com a Saraiva, os recursos levantados serviriam para abater parte da dívida ou para manter o que sobrar da rede, sejam lojas físicas ou o site.

Em agosto de 2020, as dívidas da Saraiva alcançaram R$ 329,9 milhões, sendo R$ 156,7 milhões com bancos e instituições de crédito. O Banco do Brasil (BBAS3) é o seu maior credor, com 85% desse montante para bancos, enquanto o Itaú Unibanco (ITUB4) detém outros 10,6%.

 

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião

Comece 2022 investindo nos melhores Fundos Imobiliários

Baixar agora!