Santander (SANB11): “Banco busca expansão de fontes de receitas”, dizem analistas, que mantêm recomendação

Após conversas com time de relações com investidores do Santander (SANB11), a Genial Investimentos reiterou recomendação neutra para as ações do banco, afirmando que o Santander está buscando resultados mais resilientes, com a expansão de fontes de receitas.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/Lead-Magnet-1420x240-1.png

Para a equipe da Genial, a inadimplência do Santander está sob controle, com previsões de resultados melhores para 2024. A estimativa dos analistas é de que o lucro cresça 35% em 2024, aumentando de R$ 10,8 bilhões para R$ 14,4 bilhões. 

No entanto, as estimativas do consenso para 2024 variam entre R$ 12 bilhões e R$ 17 bilhões. 

A expectativa é de que a carteira de crédito do Santander cresça entre 5% e 10% em 2024, aumento de dois pontos percentuais em relação a 2023. As receitas com juros (NII) também devem crescer. “Contudo, espera-se que o NII Clientes cresça menos do que o aumento do crédito, devido a uma abordagem mais conservadora no mix (com spreads menores e menor risco)”, pontua a Genial. 

Quanto ao NII Mercado (tesouraria), espera-se que registre um resultado positivo, mas ainda bem menor que o nível pré-pandemia. As despesas administrativas devem crescer com a inflação, continuando altas no mesmo patamar de 2023. 

No 3T23 do Santander, o banco atingiu 3,6% de custo de crédito/carteira, uma redução de 0,8 pontos percentuais ao ano. “Apesar da melhora, a companhia acredita que este indicador não deve voltar para os patamares pré-pandemia (2,9% – 3,0%), devendo estabilizar entre o nível alcançado”, dizem os analistas. 

Neste contexto, a Genial recomenda manter as ações do Santander, com preço-alvo de R$ 29,40. Nesta quinta (30), os papéis do Santander fecharam com alta de 0,98%, cotados a R$ 31.

Santander sinaliza maior apetite para retomada de linhas de maior risco, diz Genial

No segmento de cartão de crédito, o Santander está disposto a retomar linhas de maior risco, afirma a Genial. 

Contudo, o comprometimento de renda e endividamento ainda estão altos, assim, o crescimento será gradual. “No 3T23, já foi possível observar um aumento nesse produto, mas os resultados demandam um tempo para amadurecer”, aponta a Genial. 

Segundo a Genial, outras operações que buscam aceleração incluem a financeira, com a parceria com a Stellantis, e  PMEs (Pequenas e Médias Empresas), com foco particular nas médias empresas. Além disso, o banco planeja continuar expandindo suas carteiras nos setores de agronegócio, consignado, imobiliário e pessoa física de alta renda. 

Lucro cai 12,5% em um ano

Santander anotou um lucro líquido recorrente de R$ 2,729 bilhões no terceiro trimestre de 2023 (3T23), segundo balanço divulgado na manhã desta quarta-feira (25), antes da abertura do pregão. Com isso, o lucro do banco recuou 12,5% na comparação anual, mas cresceu 18,2% frente ao segundo trimestre do ano.

Já o lucro líquido societário do Santander ficou em R$ 2,644 bilhões entre os meses de julho e setembro deste ano, aumento de 23,1% na base trimestral.

A rentabilidade medida pelo índice de retorno sobre o patrimônio (ROE) do Santander no 2T23 – excluindo ágio – foi de 13,1% ante 11,2% no segundo trimestre, melhora de 1,9 ponto percentual (p.p).

carteira de crédito do Santander chegou a R$ 625,4 bilhões, aumento de 1,3% no trimestre e alta de 7,9% no ano, com destaque para o crescimento de 1,6% em pessoas físicas e 3,1% em PMEs.

As receitas de serviços e tarifas bancárias alcançaram R$ 1,028 bilhão, alta de 8,3% na comparação anual e aumento de 2,6% na base trimestral, beneficiadas pelo aumento da base de correntistas, principalmente ao PJ, à readequação de tarifas e ao impacto favorável do PIX PJ.

margem financeira bruta do Santander foi de R$ 13,413 bilhões no terceiro trimestre, aumento de 6,4% na base anual, mas recuo de 1,2% em relação ao segundo trimestre.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-1.png

No comunicado de resultados, o diretor-presidente do banco, Mário Leão, disse que no terceiro trimestre, o Santander consolidou sua estratégia com a materialização da qualidade da carteira, evoluindo positivamente os indicadores de inadimplência. “Destacamos o bom crescimento em volumes, principalmente em passivos, impulsionado pela expansão do nosso plano de captações, além da evolução dos negócios estratégicos, que traz perspectiva positiva da margem com clientes”, disse.

Sinais de retomada, mas ROE ainda fraco, diz Genial

Segundo a Genial Investimentos, o lucro líquido do ficou em linha com a média do mercado, mas 6% abaixo das estimativas da casa. Apesar da melhora no lucro, a casa avalia que a rentabilidade do Santander (ROE) continua em patamares fracos frente ao histórico do banco, em apenas 13,1%.

“Por outro lado, vemos sinais positivos nas despesas com provisão, que apresentou a primeira contração anual depois de um bom tempo, e queda na inadimplência acima de 90 dias (-0,3pp t/t), que devem ajudar em maior lucratividade mais à frente”, diz a gestora.

Desempenho anual das ações do Santander

Cotação SANB11

Gráfico gerado em: 30/11/2023
1 Ano

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Vinícius Alves

Compartilhe sua opinião