Oferta da Sabesp (SBSP3) deve chegar a R$ 15 bilhões e começar em maio; Citi eleva preço-alvo das ações

A oferta de ações da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, a Sabesp (SBSP3), pode chegar até R$ 15 bilhões, segundo o CEO da companhia, André Salcedo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

Em participação no evento do Bradesco BBI nesta terça-feira (2), o Brazil-Investment Forum, o presidente-executivo da Sabesp disse que, apesar de ainda não haver uma definição final sobre a oferta, as estimativas do mercado na casa dos 11 dígitos (entre R$ 15 bilhões e R$ 20 bilhões) estão sendo acompanhadas.

Além disso, André Salcedo ainda afirmou que a oferta de ações da Sabesp deve acontecer até o fim de maio ou começo de junho. No mais tardar, as operações podem ser estendidas até agosto, considerando eventuais atrasos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Cronograma de oferta da Sabesp (SBSP3)

O cronograma da oferta de ações SBSP3 ainda não está precisamente definido.

Segundo o CEO da Sabesp, as datas vão depender da convocação da assembleia da Unidade Regional de Água e Esgoto de Municípios (URAE) e do lançamento da privatização no Ibovespa.

Para que essas etapas prossigam, primeiramente é preciso aguardar 30 dias da finalização do processo de revisão das contribuições da consulta pública.

Por isso, estima-se que a oferta de ações que remove o controle do Estado de SP da Sabesp (SBSP3) deverá ter início em até dois meses.

“A gente poderia lançar uma oferta entre o final do mês de maio e o início de junho, podendo executar a oferta até agosto”, afirmou o presidente da Sabesp no Brazil Investment Forum, evento do Bradesco BBI.

Ações da Sabesp: Quantas entram na negociação?

Ainda não se pode precisar a parcela das ações da Sabesp que deverão ir a público na oferta. Contudo, estima-se que a redução de participação do Estado de SP seja encurtada dos 50,3% atuais para algo entre 15% e 30%.

“O que temos escutado é que o [governo de Tarcísio Freitas do] Estado [de São Paulo] quer parar entre 15% e 30% da companhia, mas não uma decisão ainda”, contou Salcedo.

Além disso, Salcedo ainda comentou que não está definida a necessidade de uma oferta primária (quando a arrecadação vai direto para o caixa da empresa). Além disso, as operações ainda devem envolver a entrada de um investidor de referência no capital.

Por fim, Salcedo comentou ainda no evento do Bradesco BBI que existem planos de “vida após a privatização”. Em sua perspectiva, quando a privatização da Sabesp for concluída, ela deverá ampliar para novos ares além do Estado de SP.

Citi mira em preço-alvo da Sabesp de R$ 97 por ação

O Citi, ante o fechamento do mercado na terça-feira (2), elevou o preço-alvo das ações da Sabesp para R$ 97, ante R$ 84.

No valor atualizado, o banco enxerga um potencial de valorização de 18,2% com relação ao preço de fechamento desta terça-feira.

Além disso, o banco também ajustou para cima as estimativas de Ebitda para 2024 e 2025 de 9% para 10%, em R$ 10,949 bilhões e R$ 11,484 bilhões, respectivamente.

Considerando o contexto do processo de privatização e premissa da redução de ineficiência no longo prazo (de R$ 2,2 bilhões para R$ 1,5 bilhão por ano), os analistas olham para os ativos da companhia de saneamento com mais otimismo.

Os analistas do Citi, Antonio Junqueira e Guilherme Bosso, veem com bons olhos os ajustes da base geral de custos da empresa. “Também se concentra no tratamento adequado das receitas regulatórias, o que pode reduzir ainda mais as ineficiências”, escrevem em relatório.

A recomendação de compra para ação da Sabesp foi mantida pelo banco.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Camila Paim

Compartilhe sua opinião