Eletrobras (ELET3) estuda alternativas para viabilizar saída da Emae, diz coluna

A Eletrobras (ELET3) estuda alternativas que possam permitir sua saída da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae), estatal paulista que será privatizada em leilão marcado para o próximo dia 19 de abril. A informação vem de uma coluna do Broadcast/Estadão.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

De acordo com a publicação, a companhia segue considerando sair do quadro de acionistas, mesmo após a tentativa frustrada de negociar com o governo paulista a inclusão de sua participação no pacote de venda no leilão.

Agora, diz a coluna, a ideia é se aproximar dos potenciais interessados no ativo, de forma a deixar clara a visão que a empresa tem para a companhia privatizada.

Apesar de sinais já dados de desinteresse pelo ativo e de preferência pela monetização, fontes próximas à Eletrobras dizem que ainda não há “martelo batido” dentro da empresa, e que as alternativas seguem na mesa, informou o Broadcast.

Vale lembrar que a Eletrobras é acionista minoritária importante da Emae, com 39% do capital total da estatal paulista, e pelo preço mínimo estipulado no edital de privatização, essa fatia pode render pelo menos R$ 761 milhões à companhia.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Leilão da Emae: Âmbar começa a despontar como uma das favoritas, segundo fontes

De acordo com fontes ao Broadcast, após a publicação do edital e com a movimentação dos interessados ganhando força, a Âmbar, do grupo J&F, começa a despontar como uma das favoritas para o leilão da Emae. Algumas empresas do setor de energia – como CPFL (CPFE3) e Neoenergia (NEOE3) – já teriam analisado e descartado a operação.

Outras companhias, como a EDF, buscam parceria com algum fundo para avaliar se dão o lance ou não, diz o Broadcast. Auren e a chinesa CTG também estão olhando para a operação, conforme fontes.

As propostas pela Emae deverão ser apresentadas no dia 15 de abril, em sessão pública de recebimento dos envelopes na B3 (B3SA3). A cerimônia de abertura das ofertas está prevista para quatro dias depois, após a análise de documentos de credenciamento e habilitação.

O Broadcast lembra que foram ofertadas ações detidas pelo Estado de São Paulo e pela Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), que correspondem a cerca de 40% do capital total da companhia. Com isso, a operação tem valor mínimo de R$ 779,815 milhões.

A Emae – que tem a Eletrobras como acionista – opera um sistema de geração de energia elétrica composto por quatro usinas hidrelétricas localizadas na Região Metropolitana de São Paulo, no Médio Tietê e no Vale do Rio Paraíba do Sul. Juntas elas somam 960,8 megawatts (MW) de potência instalada e possuem contrato de concessão válido por mais 20 anos, aproximadamente, o que ajuda a atrair potenciais compradores.

Desempenho das ações de Eletrobras

Confira o desempenho das ações de Eletrobras (ELET3).

Cotação ELET3

Gráfico gerado em: 03/04/2024
5 Dias

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião