Lucro líquido da Rede D’or (RDOR3) recua 44,1% no 1T22, para R$ 225,2 mi

Lucro líquido da Rede D’or (RDOR3) recua 44,1% no 1T22, para R$ 225,2 mi
Rede D'Or (RDOR3) - Foto: Divulgação

A Rede D’Or (RDOR3) reportou lucro líquido de R$ 225,2 milhões no primeiro trimestre de 2022, queda de 44,1% diante do resultado de R$ 402,4 milhões no mesmo período do ano anterior. Segundo a companhia, o resultado foi impactado pelos efeitos da elevação de juros.

De janeiro a março, a Rede D’Or registrou Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 1,141 bilhão, com avanço de 0,6% na comparação anual. A margem Ebitda atingiu 21,2%, uma redução de 2,8 p.p..

“O resultado foi pressionado sobretudo pela queda de 1,4 p.p. na taxa de ocupação de leitos, que resultou em desalavancagem operacional, assim como pela alteração no perfil médio de tratamentos em virtude do elevado volume de casos brandos observados no primeiro trimestre de 2022, em decorrência da disseminação da nova variante da Covid-19”, explica a empresa, no release que acompanha os resultados.

A receita líquida do grupo atingiu R$ 5,373 bilhões no período, aumento de 13,8% ante o primeiro trimestre de 2021.

No trimestre, a Rede D’Or anunciou o acordo de associação com a SulAmerica (SULA11), visando a combinação de negócios entre as duas companhias, com a unificação de suas bases acionárias.

aquisição da SulAmérica se deu por meio de troca de ações, com a família Larragoiti, controladora da seguradora, adquirindo uma participação minoritária nas ações da Rede D’Or.

A Rede D’Or deve assumir o controle da SulAmérica, mas o acordo prevê que as duas empresas continuem suas atuações de forma independente. A SulAmérica – que tem mais de 125 anos e afirma contar com mais de 7 milhões de clientes — seguirá com seus negócios nos planos de saúde, seguro de vida, assistência odontológica e previdência privada e outros, como o negócio de gestão de ativos, com a oferta de fundos de investimentos. A implementação do acordo ainda precisa de aprovação ainda de órgão reguladores, como a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), Susep (Superintendência de Seguros Privados), Banco Central e Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

No período, a Rede D’Or concluiu também as aquisições do Hospital Santa Marina (MS), Hospital Arthur Ramos (AL), Hospital Santa Isabel (SP) e Hospital Aeroporto (BA).

“A Rede D’Or registrou no trimestre investimentos de R$ 1,58 bi, sendo 59,8% direcionados ao pagamento de aquisições, 30,5% dedicados ao CAPEX de projetos em desenvolvimento e 9,7% investidos na manutenção de seus ativos”, diz a companhia.

O resultado financeiro foi negativo em R$ 559,1 milhões no primeiro trimestre, apresentando um aumento de 42,8% ante um ano antes.

Ao final do período, o saldo de dívida líquida da Rede D’Or era de R$ 14,198 bilhões, alta de 12,1% na comparação com o quarto trimestre do ano passado, com alavancagem medida pela dívida líquida/Ebitda em 2,9x, saindo de 2,6x ao fim de 2021.

Com Estadão Conteúdo

Marco Antônio Lopes

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO