Semana do ESG

Radar: Taesa (TAEE11) domina leilão da Aneel, Nubank (NUBR33) cria programa gratuito de educação financeira, Raia Drogasil (RADL3) vai pagar R$ 74 mi em JCP

Radar: Taesa (TAEE11) domina leilão da Aneel, Nubank (NUBR33) cria programa gratuito de educação financeira, Raia Drogasil (RADL3) vai pagar R$ 74 mi em JCP
TFoto: Pixabay

A agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realizou nesta quinta-feira (30) um leilão de transmissão de energia. Algumas das campeãs de lotes foram Taesa (TAEE11)Neoenergia (NEOE3) e Isa CTEEP (TRPL4), que arremataram os lotes 10, 2 e 3, respectivamente.

O evento ocorreu na B3 (B3SA3) e começou no início da manhã. A expectativa da Aneel é de gerar R$ 15,3 bilhões em investimentos, com o total de 13 lotes a serem licitados. Doze lotes já foram leiloados.

O objetivo do leilão é de construir e fazer a manutenção de 5.425 quilômetros de linhas de transmissão, além de 200 km de linhas de transmissão destinadas a escoar energia de fontes renováveis, assim como 6.180 mega-volt-ampéres (MVA) em capacidade de transformação de subestações.

De acordo com a Aneel, ganha a empresa ou concessionária que apresentar o menor valor de RAP, Receita Anual Permitida, estabelecido nos critérios do edital. Além disso, estão previstos também investimentos de mais de R$ 15 bilhões e a criação de mais de 31 mil empregos de forma direta.

A concessionária que ganhar o leilão de um desses lotes de investimento terá contrato de 30 anos para a exploração dos serviços de transmissão de energia elétrica e deverá concluir as obras previstas dentro do contrato em até 60 meses.

A Taesa venceu a concorrência pelo lote 10 do leilão, com a oferta receita anual permitida (RAP) de R$ 18,78 milhões, o que representa um deságio de 47,96% contra o valor máximo de R$ 36,1 milhões estabelecido pelo regulador.

O lote 10, agora pertencente a Taesa, compreende uma subestação para atender a região oeste de Santa Catarina com 159 MVA de potência.

Anteriormente, havia sido estimado um investimento de R$ 243,1 milhões no empreendimento, já licitado mas não foi implantado pela empresa anterior, levando à caducidade do contrato.

Além da Taesa, confira outros destaques desta quinta-feira:

Rede D’Or (RDOR3) pagará R$ 219,3 milhões em JCP; veja valor por ação

  • Rede D’Or (RDOR3) comunicou nesta quinta-feira (30) que vai pagar R$ 219,3 milhões em Juros Sobre Capital Próprio (JCP) aos seus acionistas.
  • O valor dos proventos por ação será de R$ 0,11, que serão pagos em 16 de julho.
  • Apenas os investidores com ações da Rede D’Or no dia 7 de julho terão direito de receber os rendimentos. A partir de 8 de julho, as ações serão negociadas sem direito aos dividendos.
  • Segundo documento arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), esses proventos fazem parte dos dividendos obrigatórios do exercício de 2022.

O valor dos JCP terá retenção do imposto de renda na fonte, com alíquota de 15%, resultando em aproximadamente R$ 0,09 por ação.

JCP da Rede D’Or

    • Valor total: R$ 219.378.332,86
    • Valor por ação: R$ 0,11113204945
    • Data de corte: 07 de julho
    • Data do pagamento: 16 de julho
    • Rendimento (dividend yield): 4,42%

BTRA11 paga dividendos em meio a caso de fazenda no MT em recuperação judicial

  • O fundo imobiliário BTG Pactual Terras Agrícolas (BTRA11) paga rendimentos aos seus cotistas nesta quinta-feira (30). Um dos ativos do fundo, a Fazenda Vianmancel (MT), tem arrendatários que declararam recuperação judicial. O FII acabou reduzindo sua distribuição aos cotistas.
  • Quem possuía as cotas do BTRA11 até o dia 23 de junho recebeu rendimentos de R$ 0,70 por cota, o equivalente a 0,85% de dividend yield. No entanto, os investidores do fundo estavam recebendo desde abril deste ano, o valor de R$ 0,94 por cota.
  • Por isso, os rendimentos deste mês foram os menores desde outubro do ano passado, quando o BTRA11 distribuiu R$ 0,54 por cota.
  • O fundo gerido pelo BTG Pactual informou na quarta-feira da semana passada (22) que os locatários da fazenda do portfólio do fundo anunciaram o pedido de recuperação judicial.
  • Desde então, as cotas do fundo imobiliário focado em terra começaram a cair. No dia seguinte ao anúncio, a gestora anunciou a redução nos rendimentos, que caíram na conta do cotista hoje.
  • Porém, a gestora do BTRA11 informou em fato relevante que a redução da sua distribuição de dividendos seria temporária, devido às dificuldades apresentadas pelo locatário e antigo proprietário do terreno.
  • Porém, a administração do fundo não cravou qualquer estimativa de resolução da pendência com seu locatário. “É difícil precisar em quanto tempo essa situação temporária será resolvida, mas enxergamos que a gestão deve trabalhar mais na frente de uma solução comercial do que em um embate jurídico”, afirmou o fundo.

Nubank (NUBR33) cria programa gratuito de educação financeira para clientes

  • Nubank (NUBR33) anunciou na última quarta-feira (29) que criou um programa de educação financeira gratuito para os clientes, o NuEnsina.
  • A iniciativa conta com o apoio da B3 (B3SA3), com a emissão de um certificado. De acordo com o banco digital, mais de 70% de sua base de clientes não se identificam como investidores.
  • O curso terá conteúdos sobre produtos de investimento, organização financeira e alternativas para guardar dinheiro. Serão nove módulos de conteúdo, em vídeo, textos e testes práticos, entre outros.
  • Os cerca de 7,5 milhões de clientes que receberam Brazilian Depositary Receipts (BDRs) gratuitos da fintech durante a oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês), em dezembro do ano passado já têm acesso ao primeiro módulo.
  • Além disso, estes investidores terão conteúdos exclusivos sobre os BDRs que receberam.
  • Aos demais clientes, o conteúdo será disponibilizado de forma gradual nas próximas semanas. O Nubank vai adicionar outros módulos a partir de agosto.
  • “Com o NuEnsina, traremos o jeito Nu de falar sobre dinheiro e avançamos em mais um importante passo nesse sentido, com uma ferramenta valiosa de organização e educação, para tornar o Nubank uma plataforma cada vez mais completa de soluções digitais para milhões de pessoas na América Latina”, afirma em nota Arturo Nuñez, CMO do Nubank.
  • O diretor de operações de produto da fintech, Vitor Mizukawa, diz que a ideia é mostrar aos clientes que é possível investir mesmo sem ser um especialista no assunto.
  • “A ideia é auxiliarmos nesta jornada financeira de forma didática, com conteúdo educativo que demonstre as opções disponíveis para que o cliente consiga tomar a melhor decisão de acordo com o seu perfil e seu momento de vida”, acrescenta.

Suzano (SUZB3) anuncia construção de fábrica em Aracruz (ES), com investimento de R$ 600 milhões

  • Suzano (SUZB3) anunciou nesta quinta-feira (30) a intenção de construir uma fábrica de papel Tissue e conversão em papel higiênico e papel toalha no município de Aracruz (ES), com capacidade de 60 mil toneladas por ano.
  • A implementação da nova fábrica da Suzano ainda deve passar pela aprovação do Conselho de Administração, bem como pela efetivação dos contratos com os respectivos fornecedores.
  • Para a realização do empreendimento, a empresa estima um investimento de R$ 600 milhões e um período de implantação de aproximadamente dois anos da data de aprovação.
  • Esse investimento em Aracruz será feito pela empresa por meio da utilização do saldo de créditos de ICMS que ela possui no estado, com apresentação de projeto específico e autorização das autoridades competentes.
  • “A Suzano pretende realizar o investimento utilizando o saldo de créditos de ICMS que possui no estado, o que dependerá de apresentação de projeto específico e autorização das autoridades competentes”, informa a empresa em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
  • “A construção da nova fábrica em Aracruz está alinhada à estratégia da Suzano de avançar nos elos da cadeia, sempre com vantagem competitiva, como no crescente mercado brasileiro de produtos sanitários”, afirma Marcelo Feriozzi Bacci, Diretor Executivo de Finanças e de Relações com Investidores, em comunicado ao mercado.
  • A efetiva implementação da nova fábrica está sujeita à aprovação dos órgãos internos da companhia, inclusive do Conselho de Administração, bem como da efetivação dos contratos com os respectivos fornecedores.

Raia Drogasil (RADL3) vai pagar R$ 74 milhões em JCP; confira valor por ação

  • Raia Drogasil (RADL3) informou nesta quinta-feira (30) que vai pagar R$ 74 milhões em Juros Sobre Capital Próprio (JCP) aos seus acionistas.
  • O valor dos proventos por ação será de R$ 0,044, que serão pagos até 1º de dezembro de 2022.
  • Apenas os investidores com ações da Raia Drogasil no dia 5 de julho terão direito de receber os rendimentos. A partir do dia 6 de julho, as ações serão negociadas sem direito aos dividendos.
  • Segundo documento arquivado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), esses proventos fazem parte dos dividendos obrigatórios do exercício de 2022.
  • O valor dos JCP terá retenção do imposto de renda na fonte, com alíquota de 15%, resultando em aproximadamente R$ 0,038 por ação.

JCP da Raia Drogasil

    • Valor total: R$ 74 milhões
    • Valor por ação: R$ 0,0449097953
    • Data de corte: 05 de julho
    • Data do pagamento: até 1º de dezembro
    • Rendimento (dividend yield): 1,07%

Da Taesa à Raia Drogasil, essas foram as empresas que se destacaram hoje. Para ler todas as matérias clique aqui.

Jorge C. Carrasco

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO