Polishop pede recuperação judicial; empresa já fechou mais de 100 lojas

A Polishop entrou com pedido de recuperação judicial na 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). O processo, de tramitação prioritária, está a cargo do juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, que ainda analisa o pedido. A Polishop foi procurada por intermédio de sua assessoria de imprensa, e respondeu dizendo que “A empresa só vai se pronunciar quando o pedido for homologado”.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/06/Lead-Magnet-1420x240-3.png

O escritório dos advogados Roberto Gomes Notari e Marco Antonio Pozzebon Tacco, que representam a Polishop no processo, foi procurado pela reportagem e respondeu que não comenta casos em andamento.

Em abril deste ano, o presidente e fundador da Polishop, João Appolinário, afirmou ao Estadão/Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) que a companhia buscava uma reestruturação extrajudicial junto a seus credores. Em um pedido à Justiça feito à época, ele disse que o endividamento bancário da empresa havia diminuído de R$ 270 milhões em janeiro de 2022 para R$ 84 milhões em 2024.

Segundo a movimentação do processo no site do TJ-SP, na última segunda-feira, 13, foi feita uma petição para que o perito se manifestasse no processo. Esse especialista irá verificar todos os documentos do processo, tais como informações sobre dívidas, credores e outros, e fazer um relatório ao juiz, para que este possa dar a sua sentença.

A Polishop recorreu à Justiça inicialmente em abril deste ano pleiteando uma tutela antecipada -uma espécie de decisão temporária até que o mérito da ação seja julgado- para suspender as execuções de dívidas da empresa. À época, João Appolinário informou que os fatores que levaram a empresa às dívidas envolvem os efeitos da pandemia, o aumento do Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) e a crise do crédito motivada pelo caso Americanas.

O juiz determinou a suspensão de execuções que estavam em trâmite contra a Polimport Comério e Exportação Ltda. (a razão social da Polishop), bem como ações de despejo. A decisão também impediu que plataformas de marketing e tecnologia (Google, Meta, entre outros), suspendessem os serviços por créditos anteriores à data do pedido, e que o serviço deveria ser restabelecido em até 24 horas. Após essa decisão, várias empresas tiveram seus pedidos de habilitação de crédito (prova de que a empresa em recuperação judicial deve) juntados ao processo para “entrar na fila de pagamentos”.

A Polishop já fechou mais de 100 lojas em shoppings e é alvo de mais de 50 ações de despejo.

Crise na Polishop

O acúmulo de dívidas da Polishop ocorre há alguns anos. Mais recentemente, desde 2022, os shoppings onde a empresa mantinha lojas começaram a entrar com processos na Justiça por falta de pagamento do aluguel. À época o valor acumulado era de R$ 9 milhões.

Em uma tentativa de reestruturar o negócio, a empresa fechou mais de 100 unidades em shoppings. Paralelo a isso, também começou a ser alvo de despejo por calote nos aluguéis das lojas que permaneciam abertas.

Dados de julho de 2023 indicam que a rede reduziu de 280 unidades para 122, e o quadro de funcionários caiu pela metade: de 3.000 para 1.500. Do ano passado para cá, outras 42 lojas já foram fechadas.

Segundo o site do TJ-SP, os credores da Polishop são os seguintes:

– TV Ômega Ltda.

– BTN Informação do Trânsito e Serviços Aéreos Especializados Ltda

– OC Group Tecnologia da Informação Ltda

– Smarters Servicos de Internet Ltda

– Google

– Banco Safra

– Ingram Micro Brasil Ltda

– Itaú

– Banco Votorantim

– Gentrop Cloud Brasil Ltda Epp

– Mocrosoft Informática Ltda.

– XP Industrial Fundo de Investimento Imobiliário

– AD Shopping – Agência de Desenvolvimento de Shoppping Centers Ltda.

No início de abril, Appolinário disse que a Polishop já havia feito os ajustes necessários, com fechamento de lojas e cortes de custos.

(Com informações de Estadão Conteúdo)

João Vitor Jacintho

Compartilhe sua opinião