Zona do euro: PIB deve crescer 4,6% em 2021 e 4,7% em 2022, diz BCE

Zona do euro: PIB deve crescer 4,6% em 2021 e 4,7% em 2022, diz BCE
PIB. Foto: Steve Buissinne por Pixabay

O Banco Central Europeu (BCE) elevou suas projeções de crescimento econômico da zona do euro para 2021 e 2022. A presidente da autoridade monetária, Christine Lagarde, disse nesta quinta-feira (9) que a previsão foi elevada uma vez que o avanço nos esforços de vacinação contra a covid-19 permite a gradual retirada de medidas de restrição.

O BCE agora projeta que o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro 4,6% em 2021 e 4,7% em 2022. Em março, as previsões eram de altas de 4% neste ano e de 4,1% em 2022. Para 2023, a expectativa é de que a zona do euro tenha expansão menor, de 2,1%.

Lagarde, que falou durante coletiva de imprensa que se seguiu à decisão do BCE de deixar sua política monetária inalterada, afirmou também que as previsões de inflação do bloco deste e do próximo ano também foram revisadas para cima, enquanto a de 2023 não sofreu ajustes.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O BCE prevê que a taxa anual de inflação ao consumidor da zona do euro atingirá 1,9% em 2021, antes de desacelerar para 1,5% em 2022 e 1,4% em 2023.

A meta oficial de inflação da instituição é de uma taxa ligeiramente abaixo de 2%.

Zona do euro: ‘Inflação não nos preocupa’, diz Lagarde

A presidente do Banco Central Europeu ainda destacou nesta quinta-feira que a inflação na zona do euro deve subir mais no segundo semestre deste ano e então cair conforme fatores temporários perderem força

De acordo com Lagarde, a inflação na região subiu a 2% em maio deste ano em função do aumento nos preços da energia no ritmo mais forte desde o final de 2018. O resultado foi acima da meta do Banco central Europeu de “abaixo mas perto de 2%”.

Segundo a Reuters, economistas consultados pelo jornal esperam que a inflação na zona do euro fique em 1,8% em 2021. Enquanto em 2022, deve cair a 1,3% e em 2023, 1,5%.

Com informações do Estadão Conteúdo

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião