Petrobras (PETR4) quebra recorde de investimento em manutenção com R$ 2,3 bilhões

Petrobras (PETR4) quebra recorde de investimento em manutenção com R$ 2,3 bilhões
Sob Silva e Luna, Petrobras pagou dividendos recordes com geração de caixa e venda de ativos - Foto: Agência Brasil

Com diversos movimentos de desinvestimento e paradas para manutenção, a Petrobras (PETR4) quebrou o seu recorde de investimentos no quesito em todo o seu parque de refino em 2021. A estatal gastou uma cifra de R$ 2,3 bilhões com manutenção, segundo dados levantados pelo jornal o Estado de S. Paulo.

Ou seja, a Petrobras gastou 50% a mais do que em 2020 e mais de 20% em relação ao ano de 2019 – ano recorde para o quesito até então.

Apesar disso, a companhia ficou com uma média de 83% de utilização das suas refinarias. O número é o maior índice dos últimos cinco anos e demonstra uma crescente na utilização de unidades da petroleira.

Em 2022, a companhia segue em processo de venda do seu parque de refino. Do total de oito unidades à venda desde meados de 2019, já foram três vendidas: Rlam (BA), Six (PR) e Reman (AM).

O processo de venda desses ativos fez com que a companhia ganhasse caixa – o que contribuiu para a operação e para os dividendos recordes.

No total, os três ativos renderam cerca de R$ 4,8 bilhões para a Petrobras, segundo informações divulgadas ainda no início de dezembro de 2021.

A companhia também informou, em comunicados arquivados na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que planeja um ‘desafio ainda maior para 2022’.

A petroleira mira algo em torno de R$ 2,5 bilhões para paradas de manutenção de unidades em suas refinarias – o que deve envolver cerca de 4,5 mil equipamentos.

No plano estratégico a porjeção é de US$ 6,1 bilhões de aportes no refino, sendo que o prospecto é de 2022 a 2026. Um dos projetos previstos é a ampliação da capacidade de produção de derivados de alta qualidade, como o diesel S-10.

Petrobras já negocia Polo de Potiguar

Ainda nesta quarta (19) a estatal confirmou a informação de que negocia o processo de desinvestimento do Polo Potiguar. Segundo o comunicado, a transação envolve a 3R Petroleum (RRRP3), que apresentou a melhor proposta, em valor superior a US$ 1 bilhão.

O Polo Potiguar abrange 22 concessões de campos de produção terrestres e de águas rasas. O ativo em questão inclui a refinaria Clara Camarão, no estado do Rio Grande do Norte.

A estatal esclarece que a celebração da transação ainda fica dependente das aprovações corporativas, incluindo deliberação da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração.

A expectativa é de que a transação seja submetida à apreciação dos órgãos corporativos ainda em janeiro.

“A Petrobras reforça o seu compromisso com a ampla transparência de seus projetos de desinvestimento e de gestão de seu portfólio e informa que as etapas subsequentes do projeto serão divulgadas tempestivamente”, disse a estatal, em comunicado.

Desempenho de PETR4

As ações da Petrobras operam em estabilidade no pregão desta quinta-feira (20). Os papéis preferenciais da companhia sobem 0,67% cotados a R$ 31,70 após subirem nos últimos dias por conta da alta na cotação do petróleo.

Desde o início de 2022, as ações da Petrobras já subiram 8,3% no acumulado, ante 11,6% de alta na janela de 12 meses.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO