Dividendos da Petrobras (PETR4) devem somar US$ 70 bilhões entre 2022 e 2026

Dividendos da Petrobras (PETR4) devem somar US$ 70 bilhões entre 2022 e 2026
Petrobras - Foto: Agência Petrobras/Geraldo Falcão

A Petrobras (PETR4) prevê pagar um montante de US$ 60 bilhões a US$ 70 bilhões para os seus acionistas entre 2022 e 2026, conforme novo plano estratégico.

Dessa cifra de dividendos da Petrobras, serão cerca de R$ 25 bilhões pagos à União, maior acionista da companhia.

A cifra fica em valor próximo dos US$ 50 bilhões a US$ 60 bilhões estimados para o fluxo de caixa de investimento, e acima dos US$ 5 ou 10 bilhões previstos para amortizações e despesas da petroleira.

Vale lembrar que, no documento, a empresa estabeleceu uma nova política de dividendos aos acionistas, firmando um ‘piso’ de US$ 4 bilhões anuais em dividendos quando a cotação do Brent estiver acima de US$ 40.

Além disso, quando a dívida bruta fica em no máximo US$ 65 bilhões com a última linha do balanço no azul, a companhia fará uma remuneração de proventos equivalente a 60% da diferença entre o fluxo de caixa operacional e os investimentos, desde que ‘não comprometa a sustentabilidade financeira da empresa’.

Na política de dividendos anterior, essa fórmula só seria praticada se a dívida fosse mantida abaixo de US$ 60 bilhões.

No documento, a companhia explica que a nova política de remuneração dos acionistas da Petrobras ocorre em razão da antecipação do alcance da meta de endividamento bruto abaixo de U$ 60 bilhões no terceiro trimestre deste ano. A meta estava prevista para 2022.

“Independentemente do seu nível de endividamento, a companhia poderá, em casos excepcionais, realizar o pagamento de dividendos extraordinários, superando o dividendo mínimo obrigatório”.

De acordo com a Petrobras, a revisão da política de dividendos não deve comprometer a sustentabilidade financeiro de curto, médio e longo prazo.

Há melhora de expectativas com plano Petrobras, diz Ativa

Com o Plano estratégico e os dividendos, a Ativa Investimentos frisa recomendação neutra vendo cotação de R$ 32,50 ante atuais R$ 28,37.

Segundo a casa, a petroleira, antes, esperava uma produção total de óleo de 2,3 MM barris/dia durante os anos de 22 a 25, números agora ajustados para avanço de 0,1 MM/dia frente a meta anterior chegando a 2,8 MM em 2026.

Além disso os investimentos previstos foram elevados para U$D 68 bilhões contra U$D 55 bilhões no plano anterior, sendo que 84% seguirá sendo destinado à Exploração & Produção

Apesar disso, o plano trouxe, pela primeira vez, a intenção da companhia de diversificar o portfólio para reduzir sua dependência de fontes fósseis, priorizando negócios de energia e novos produtos.

“Petrobras divulgou um plano sem maiores surpresas, majorando sua expectativa produtiva ao longo dos próximos anos, mantendo a proporção de investimentos no pré-sal e atualizando a sua política de remuneração de acionistas. A companhia anunciou a criação de uma governança para decidir sobre eventuais novos projetos ligados à agenda verde e seguirá atuando de forma orgânica na melhora da rentabilidade dos projetos onde já possui comprovada expertise”, diz a casa.

Acionistas PETR4 receberão R$ 2,1 em dividendos por ação

A Petrobras fará a distribuição antecipada de dividendos e juros sobre o capital próprio (JCP) no dia 15 de dezembro. Os rendimentos foram aprovados em agosto e em outubro e correspondem a R$ 2,195126 por ação em dividendos e R$ 1,055361 em JCP por ação.

Vale frisar que o valor dos JCP está sujeito à retenção de imposto de renda na fonte à alíquota de 15%.

Já os donos de ADRs da estatal petrolífera receberão a remuneração a partir de 22 de dezembro.

A data de corte é 1º de dezembro para os donos de ações da Petrobras negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), enquanto que a record date para os donos de ADRs negociadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE) é 3 de dezembro.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!