Petrobras (PETR4): gestores veem ‘mão pesada do governo’ em defasagem na gasolina

Segundo dados da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), o preço da gasolina nas refinarias da Petrobras (PETR4) está uma média de R$ 0,60 por litro abaixo da paridade de importação. Com isso, especialistas apontam uma ‘ingerência do governo’.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

A defasagem no preço da gasolina é a maior desde agosto de 2023 e tem sido mantida, segundo o economista Volnei Eyng, CEO da Multiplike, para controlar a inflação.

“Trata-se de uma prática multipartidária, ou seja, utilizada por governos de qualquer matriz ideológica, mas com uma predileção por governos populistas”, explica.

A conduta teria um impacto direto no lucro da Petrobras e nos demais indicadores financeiros da estatal – que vem sangrando na bolsa em 2024 desde a divulgação do resultado do 4T23 e do recuo no pagamento de dividendos extraordinários.

“Essa ingerência afeta o lucro da estatal, bem como a distribuição de dividendos. Vale mencionar que a própria União está entre os que mais recebem os proventos da empresa e quando ‘ataca’ sua política de preços e corta a divisão dos lucros, acaba prejudicando outros setores da sociedade onde aquele recurso – embolsado pela união – seria aplicado”, diz Eyng.

Nesse sentido, o especialista recomenda “cautela” com ações da Petrobras, especialmente considerando o rali de PETR4 em 2023.

“Convém citar que a ‘mão do governo’ sobre a estatal está mais ‘pesada’ este ano do que no ano anterior. É preciso ficar atento”, aponta.

Defasagens são normais no modelo atual

André Colares, CEO da Smart House Investments, explica que essa diferença nos preços é principalmente atribuída à política de preços da Petrobras.

Com a mudança de governo a companhia deixou de usar a chamada Política de Paridade de Importação (PPI), contudo ainda leva em consideração fatores como custos internos, câmbio e preços globais do petróleo em suas decisões.

“No modelo atual, a empresa opta por não repassar imediatamente as flutuações do mercado internacional para os preços domésticos, buscando estabilizar o mercado interno e evitar impactos bruscos sobre os consumidores. Isso, porém, resulta em defasagens”, explica o especialistas.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Atualmente não há uma precisão nos dados públicos acerca da política atual.

“Essa prática visa minimizar o impacto das oscilações globais sobre os consumidores brasileiros, garantindo estabilidade no abastecimento e competitividade da Petrobras sem desestabilizar a economia local”, destaca.

“Mudanças nessa política, especialmente em períodos eleitorais ou de volatilidade do petróleo, podem indicar tentativas de influenciar a empresa. Para melhorar sua competitividade, a Petrobras poderia adotar uma política de preços mais transparente e alinhada com o mercado internacional, investir em eficiência operacional, diversificar fontes de energia e adotar tecnologias limpas”, completa.

Cotação das ações da Petrobras

As ações da Petrobras operam em queda de 4,7% nos últimos 30 dias. Desde o início do ano os papéis apresentam uma valorização de 1%. contudo.

Cotação PETR4

Gráfico gerado em: 02/04/2024
1 Ano

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião