Petrobras (PETR4) é mantida e Eletrobras (ELET3) retorna à carteira do BTG em abril

O BTG Pactual (BPAC11) divulgou nesta segunda-feira (1º) um relatório selecionando as 10 principais ações do Ibovespa para o mês de abril. A carteira tem o retorno da Eletrobras (ELET3), que substituiu a Equatorial (EQTL3). A Raízen (RAIZ4) foi trocada pela Stone (STOC31). E Petrobras (PETR4) foi mantida por mais um mês.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

Segundo o BTG, o ano começou claramente “pior do que o esperado para as ações brasileiras”. Além da piora das perspectivas de cortes nas taxas de juros nos EUA, um pouco mais de pressão sobre a inflação no Brasil pode levar o Banco Central (BC) a reduzir o ritmo dos cortes nas taxas de juros.

“Mantemos nossa opinião de que a combinação de taxas de juros em queda nos EUA e no Brasil e valuations relativamente baratos poderia preparar o terreno para que as ações brasileiras tenham um bom desempenho em 2024. Com isso em mente, estamos mantendo a exposição a setores mais domésticos e cíclicos e fazendo apenas pequenos ajustes em nosso portfólio de abril”, escreve o banco.

Em relação à ação da Eletrobras, que retorna à carteira do BTG, a casa observou que os preços da energia parecem estáveis nos níveis atuais, enquanto a reestruturação da empresa deverá continuar a gerar resultados.

“A empresa divulgou resultados sólidos no 4T23, apresentando significativa redução de despesas e avançando em seu programa de desinvestimentos e otimizações de estrutura”. diz o BTG.

“Esperamos que a tendência de redução de custos continue, com menores custos de pessoal devido ao programa de demissão voluntária e reversões adicionais de empréstimos compulsórios, melhore o desempenho da Eletrobras. A recuperação dos preços da energia observada nos últimos meses também deverá impactar positivamente o balanço energético de 2024”, diz o BTG.

A Petrobras foi mantida na carteira do BTG para abril por mais um mês. “Apesar da decepcionante decisão de não pagar dividendos extraordinários, ainda modelamos um dividend yield ordinário de 13% (potencialmente atingindo ~15%, dependendo da produção e dos preços do petróleo)”, pontuaram os analistas.

A outra adição neste mês é o provedor de pagamentos Stone (STOC31), que substitui a Raízen (RAIZ4). “Estamos cada vez mais confiantes de que a empresa pode ir além de pagamentos. Os resultados têm sido mais fortes do que o esperado e as ações estão sendo negociadas a 12x P/L para 2024E e 10x para 2025E, o que consideramos atraente”, ressalta o banco.

BTG aumenta exposição a serviços financeiros

Além disso, Itaú Unibanco (ITUB4) e B3 (B3SA3) permanecem no portfólio do BTG, aumentando a exposição do banco a serviços financeiros para 30%.

“Sob a liderança de Milton Maluhy, o banco tem passado pela transformação digital mais eficaz entre os bancos incumbentes, o que acreditamos que abrirá espaço para que a diferença do seu ROE (Retorno sobre o patrimônio) em comparação com os seus pares continue crescendo”, afirma o BTG sobre o banco, destacando que apesar da forte recuperação no ano passado, ainda acredita que as ações do Itaú são atraentes.

O BTG acredita ter sido “um pouco cedo” incluir a B3 em sua carteira no mês passado, dado o desempenho da ação, mas que, considerando seu desempenho significantemente inferior em comparação ao da XP no mês, enxerga a companhia agora como um player melhor de beta no curto prazo para o Brasil.

“É naturalmente muito difícil prever o momento exato, mas a combinação de baixas expectativas e posicionamento muito baixo pode significar espaço para a ação subir, já que geralmente é vista como uma forma muito simples e altamente líquida de se expor ao beta do Brasil no caso de uma melhora no apetite ao risco dos investidores”, avalia a casa.

BTG: Lojas Renner é a preferida entre varejistas

Entre as varejistas, a Lojas Renner (LREN3) continua sendo a escolha preferida do BTG, embora o banco também tenha adicionado Vivara (VIVA3) ao portfólio small caps, após a recente queda das ações.

“Apesar da desaceleração nas vendas nos últimos trimestres devido a uma base forte de comparação e uma perspectiva mais desafiadora para o consumo discricionário, juntamente com a pressão sobre os resultados da Realize devido ao cenário macro adverso, ainda vemos a Renner bem-posicionada para ganhar participação de mercado no fragmentado setor de varejo de vestuário brasileiro”, pontua o banco.

Veja a carteira de ações recomendadas pelo BTG para abril:

  • Petrobras (PETR4): 15%;
  • Itaú Unibanco (ITUB4): 10%;
  • Localiza (RENT3): 10%;
  • B3 (B3SA3): 10%;
  • Eletrobras (ELET3): 10%;
  • Stone (STOC31): 10%;
  • Embraer (EMBR3): 5%;
  • Mercado Livre (MELI34): 10%;
  • Cyrela (CYRE3): 10%;
  • Lojas Renner (LREN3): 10%.

Em março, a rentabilidade da carteira recomendada de ações do BTG foi de 1,1%, desempenho acima do Ibovespa (-0,7%) e IBrX-50 (-0,8%).

Para 2024, o BTG projeta um EV/Ebitda para a Petrobras de 3,0 vezes e em 2025, 3,2 vezes. Já a estimativa para o P/L da Petrobras em 2024 é de 4,4 vezes e em 2025, 4,8 vezes.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião