Balanços da semana

Petrobras (PETR4): BofA projeta dividendos extraordinários e retornos maiores que as concorrentes em 2024

No ano passado, a Petrobras (PETR4) divulgou seu Plano Estratégico 2024-2028, o que despertou interesse dos investidores sobre qual será o retorno de caixa da empresa em comparação com seus pares internacionais. Para 2024, o BofA prevê US$ 13,1 bilhões, o que equivale a um rendimento de 11,9%. 

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

“Dado o perfil da Petrobras, como uma empresa estatal, acreditamos que os investidores exigem um rendimento mais alto em comparação com seus pares para considerar a possível influência do governo sobre decisões estratégicas.”

Segundo previsões da BofA, a Petrobras deve apresentar retornos de caixa totais de US$ 13,1 bilhões (rendimento de 11,9%) em 2024 e US$ 7,7 bilhões (rendimento de 7,0%) em 2025, assumindo preços do petróleo em US$ 80/barril neste ano e US$ 70/barril no ano que vem.

Esses números superam as previsões para outras empresas do setor, que devem pagar cerca de 9,4% em 2024. Em 2025, contudo, as pares devem alcançar o patamar de 8,9%.

Além disso, o BofA estima que a Petrobras provavelmente anunciará dividendos extraordinários, considerando sua geração de caixa positiva mesmo após o pagamento de dividendos regulares.

“Observamos que a dívida líquida da Petrobras está bem abaixo do nível ideal da empresa – terminou o 3T23 com uma dívida líquida de US$ 43,7 bilhões. No futuro, como esperamos que a Petrobras continue gerando caixa, sua dívida líquida provavelmente diminuirá.”

Vale ressaltar que as previsões para a Petrobras podem ser ainda mais favoráveis se a empresa conseguir aumentar sua produção e reduzir custos, o que poderia melhorar ainda mais seu retorno de caixa, informa o BofA.

Petrobras: analistas preveem até R$ 27 bi em dividendos extraordinários

Após a divulgação do relatório de produção da Petrobras (PETR4) referente ao quarto trimestre de 2023, a XP Investimentos prevê que a estatal pagará dividendos mínimos de US$ 3,9 bilhões, enquanto os proventos extraordinários podem ser de até US$ 5,5 bilhões (R$ 27,2 bi) para o ano fiscal de 2023. 

“Atualmente, vemos a Petrobras terminando o 2T24 (quando estimamos que os dividendos extraordinários serão pagos) com caixa próximo de US$ 14 bilhões No entanto, considerando a difícil situação fiscal do Brasil e o fato de que o plano estratégico estabeleceu US$ 8 bilhões como “caixa de referência”, a Petrobras poderia pagar ainda mais do que os US$ 5,5 bilhões que supomos”, explica a XP. 

Segundo a corretora, essa possibilidade de pagamento de dividendos da Petrobras, juntamente com uma aceleração na recompra de ações, responde por boa parte do desempenho superior das últimas semanas de PETR4 e PETR3 em relação a seus pares.

O Citibank, por exemplo, tem a expectativa de que a estatal distribua cerca de 7% de rendimento de dividendos no trimestre (dividendos de 3% + dividendos extraordinários de 4%). O Citi reitera recomendação neutra para a Petrobras, com preço-alvo de US$ 15,00 por American Depositary Receipt (ADR).

A XP ainda projeta para o resultado financeiro da Petrobras no 4T23, um EBITDA de US$ 15,8 bilhões, alta de 17% frente ao trimestre anterior, devido a melhores margens em E&P (exploração e produção) e melhores crack spreads em RTC (refino transporte e comercialização).

Petrobras: produção total sobe 10,9% no 4T23, para 2,93 mi de boed

A produção no Brasil e no exterior de petróleo, líquido de gás natural (LGN) e gás natural da Petrobras (PETR4) alcançou 2,935 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) no quarto trimestre do ano passado, uma alta de 10,9% na comparação anual.

Em 2023, a produção total da Petrobras teve alta de 3,7% ante 2022, para 2,782 milhões de boed, impactada pela entrada em operação das Unidades Flutuantes de Armazenamento e Transferências, conhecida pela sigla em inglês FPSOs, Almirante Barroso, no campo de Búzios, Anna Nery e Anita Garibaldi, nos campos de Marlim e Voador, além do atingimento do topo de produção da plataforma (P-71), no campo de Itapu, e da FPSO Guanabara, e da entrada em produção de novos poços nas Bacias de Campos e Santos.

Também contribuiu para o resultado do período as entradas de quatro novos poços de projetos complementares nas Bacias de Campos e Santos. Isso foi “parcialmente compensado” pelo declínio natural de campos maduros, informou a estatal.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

No Brasil, a produção de petróleoLGN e gás natural da Petrobras foi de 2,901 milhões de boed no quarto trimestre, crescimento de 11,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior. No ano passado, a produção teve uma alta de 3,8% quando comparada ao ano anterior, a 2,748 milhões de boed.

A produção comercial de óleo e gás foi de 2,572 milhões de boe/d no quarto trimestre de 2023, alta de 10,6% ante o quarto trimestre de 2022, e alta de 1,4% contra a média dos três meses imediatamente anteriores.

A produção de petróleo foi de 2,361 milhões de barris por dia (bpd) no quarto trimestre deste ano, 11,8% maior do que no quarto trimestre de 2022. Já em relação ao trimestre até setembro, a alta foi de 1,9%.

A produção de gás natural da Petrobras totalizou 540 mil boe/d, alta de 8% na comparação com um ano antes, e mais 2,9% em relação ao terceiro trimestre de 2023.

Desempenho anual da estatal

Cotação PETR4

Gráfico gerado em: 15/02/2024
1 Ano

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Vinícius Alves

Compartilhe sua opinião