Petrobras (PETR4): ações disparam nesta quarta-feira no Ibovespa, junto com outras petroleiras; saiba por quê

As ações preferenciais da Petrobras (PETR4) tiveram forte alta no Ibovespa nesta quarta-feira (27), entre os principais ganhos do índice, em linha com o avanço dos preços do petróleo depois que os estoques do óleo bruto dos Estados Unidos caíram mais do que o esperado – aumentando as preocupações com a escassez de oferta em meio aos cortes de produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados (Opep+).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-2-1.png

No fechamento, as ações preferenciais da Petrobras dispararam 3,16%, cotadas a R$ 34,52, enquanto as ordinárias fecharam com ganhos de 3,71%, a R$ 37,70. Em linha com a alta da estatal, as ações ordinárias de PetroRecôncavo (RECV3) subiram 4,61%, a R$ 20,18, e as de PRIO (PRIO3) avançaram 2,91%, a R$ 48,31.

Cotação PETR4

Gráfico gerado em: 27/09/2023
1 Dia

Os contratos futuros do petróleo Brent ultrapassaram os US$ 97 por barril, sendo negociados com alta de 2,5 dólares, para US$ 96,53 por volta das 12h50 desta quarta. Já os futuros do WTI subiam mais de US$ 3, para US$ 93,49. Ambos atingiram seu valor mais alto nas negociações intradiárias deste ano, segundo a agência de notícias Reuters.

“Hoje, a valorização do petróleo está puxando Petrobras e as privadas. Este patamar próximo a US$ 100 o barril estava fora do radar de muito investidor”, disse Gustavo Cruz, analista da RB Investimentos.

Nesta quarta-feira, de acordo com dados do Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês) americano, os estoques de petróleo dos Estados Unidos tiveram baixa de 2,169 milhões de barris, a 416,287 milhões de barris, na semana até 22 de setembro. Analistas ouvidos pela agência de notícias esperavam uma queda de 320 mil barris.

Ainda de acordo com a Reuters, a redução dos estoques de petróleo dos Estados Unidos ocorre no momento em que a Arábia Saudita e a Rússia — como parte da Opep+ — estenderam os cortes voluntários de produção de 1,3 milhão de barris por dia até o final do ano, preocupando os mercados quanto à escassez de oferta no inverno no Hemisfério Norte.

“O estoque de petróleo diminuiu muito. Com o alto consumo, o preço sobe. Também temos a redução da produção na Arábia fazendo o preço subir também”, destacou Dierson Richetti, especialista em investimentos e sócio da GT Capital.

Petrobras (PETR4) pagará US$ 392 milhões para Constellation para operação dsonda

A Petrobras fechou um contrato de US$ 392 milhões com a Constellation para uso e operação de sonda da companhia. O acordo foi formalizado nesta quarta-feira (27) pela offshore.

No contrato, a Petrobras fará uso do serviço da empresa de sondas offshore para o afretamento e operação da sonda semissubmersível Alpha Star.

O trabalho para a estatal inclui perfuração, completação e intervenção de poços em lâminas d’água de até 2,4 mil metros, detalha a Constellation.

A unidade será utilizada na costa brasileira e tem o início de suas atividades para a petroleira previsto para o quarto trimestre de 2024. Hoje, a sonda está contratada pela 3R Petroleum (RRRP3) e as atividades na Petrobras terão início logo após o encerramento do contrato atual. Antes da 3R, o equipamento foi utilizado em campanha de perfuração da também petroleira independente Enauta (ENAT3), no campo de Atlanta, na Bacia de Santos.

Segundo a Constellation, esse é o sétimo contrato do tipo firmado pela empresa com a Petrobras, seu maior cliente.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

O que faz a sonda semissubmersível contratada pela Petrobras

A Alpha Star é uma sonda semissubmersível de posicionamento dinâmico, ou seja, que não fica ancorada. Equipada para operar em profundidades típicas do pré-sal, essa sonda foi construída no ano de 2011, sendo capaz de perfurar em águas com profundidades de até 9 mil pés e realização de poços de até 30 mil pés de profundidade.

“A recuperação do segmento de óleo e gás tem impulsionado a retomada dos investimentos pelas empresas operadoras de exploração e produção, e o consequente aumento da demanda pela prestação de serviços offshore”, disse, em nota, o presidente da Constellation, Rodrigo Ribeiro.

“O novo contrato reforça nossa parceria de longo prazo com a Petrobras (PETR4), nosso maior cliente, e a posição da Constellation de líder brasileira no setor de perfuração e completação de poços de óleo e gás offshore, com 100% de nossas unidades contratadas”, concluiu Ribeiro.

Com informações de Estadão Conteúdo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião