Oi (OIBR3): Cade aprova venda bilionária de ativos de infraestrutura para a NK 108

A venda de ativos de infraestrutura da Oi (OIBR3) para a NK 108 foi aprovada pela Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). O negócio foi concluído em dezembro de 2022 e fechado por R$ 1,7 bilhão.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-2-1.png

A decisão foi publicada no Diário Oficial da União (DOU). Segundo o anúncio realizado pela Oi no mês passado, a operação engloba oito mil sites de infraestrutura de telecomunicações.

O contrato foi celebrado entre Oi e a NK 108 Empreendimentos e Participações, afiliada da Highline do Brasil II Infraestrutura de Telecomunicações, com interveniência da Lemvig RJ Infraestrutura e Redes de Telecomunicações.

O contrato da Oi está sujeito a eventuais ajustes no preço e retenções, dos quais até R$ 1,088 bilhão serão pagos na data de fechamento da operação e até R$ 609 milhões serão pagos até 2026, dependendo da quantidade futura de itens de infraestrutura a serem utilizados após 2025, assim como de outras condições contratuais.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

A proposta da NK 108 foi vencedora do procedimento competitivo realizado em 22 de agosto de 2022.

“A companhia manterá seus acionistas e o mercado informados sobre o desenvolvimento dos assuntos objeto deste comunicado”, destacou a Oi no comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na época.

Além do Cade, o negócio precisa ser aprovado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Oi planeja cisão para separar “filé” do “osso”

Com o fim do processo de recuperação judicial, a Oi estuda separar as operações da Oi Fibra em uma nova empresa independente, batizada temporariamente como ClientCo. Segundo informações divulgadas nesta quinta (5), o projeto prevê que o “filé” do grupo seja desmembrado, enquanto o “osso” segue dentro da companhia.

De acordo com fontes da Coluna do Broadcast, do jornal O Estado de São Paulo, a iniciativa abrigará os ativos da Oi Fibra, que são a base de clientes, canais de comunicação, venda e atendimento e os sistemas para a prestação do serviço de banda larga.

Em 2022, a operação da Oi Fibra conta com lucro operacional estimado de R$ 238 milhões e existe a previsão de que esse braço da Oi chegue a R$ 1,6 bilhão em 2024.

As ações da Oi sobem 6,25% a R$ 0,17 no intradia desta quinta-feira (5), quando o mercado digere as últimas notícias sobre a companhia.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Erick Matheus Nery

Compartilhe sua opinião