DIVIDENDOS

FII MXRF11 alcança 416 mil cotistas em junho e continua reciclagem de portfólio

Maior fundo imobiiário brasileiro, o MXRF11 mantém há meses sua estratégia de reciclagem de portfólio e avança na captação de cotistas.

FII MXRF11 alcança 416 mil cotistas em junho e continua reciclagem de portfólio
Prédios. Foto: Igor Link por Pixabay

O fundo imobiliário com mais cotistas do Brasil, o Maxi Renda FII (MXRF11), seguiu com sua proposta de reciclagem de portfólio no mês de junho. As informações são do relatório gerencial mensal do ativo, divulgado na última quinta-feira (22).

Dentre as mudanças do mês, o destaque ficou para as alienações dos certificados de recebíveis imobiliários (CRIs) da GPA, FS Bioenergia, BB e Dasa, que renderam um ganho de capital para o MXRF11 de R$ 6,15 milhões.

Na outra ponta, as liquidações dos CRIs de Rio Ave, Pesa/AIZ e Econ totalizaram R$ 168,69 milhões. Em vista disso, o fundo imobiliário alocou R$ 42,30 milhões no CRI Cemara. 

“Algumas alocações tiveram o processo de estruturação um pouco mais lento que o esperado, de forma que o fundo encerrou com volume de caixa além do desejado”, comentou a gestão do FII Maxi Renda. O mesmo aconteceu no mês anterior. 

Além disso, outro destaque do mês foi o aumento do número de cotistas. O MXRF11 alcançou a marca de 416 mil cotistas, um avanço de 6% frente ao mês anterior. A maior base de investidores da indústria de FIIs do Brasil perfaz um valor de mercado de R$ 2,26 bilhões ao fundo.

Posição financeira do MXRF11

Em maio, a gestão comentou que esperava que em junho o volume de caixa fechasse em 5%, mas fechou em 20%. Agora, a expectativa é que volte para 10% no mês de julho. 

No dia 30 de junho, o caixa ocupava uma fatia de 22% do investimento por classe de ativos. CRIs correspondiam a 64%; permutas financeiras, 12%; e FIIs, 2%.

O fundo tem como objetivo de alocação 80% do patrimônio líquido em CRIs com bons nomes de crédito, com carregos atraentes e alto potencial de ganho de capital recorrente. Os outros 20% são focados em permutas financeiras, que possuem boa rentabilidade, com retornos da ordem de INCC + 13% a.a.

Atualmente a permuta está abaixo de 20%, mas o gestor afirma que eles estão aumentando em ritmo acelerado nos últimos meses. Em junho, o MXRF11 investiu R$ 30,21 milhões em novas permutas financeiras.

No que se refere aos fundos imobiliários, a carteira do MXRF11 encerrou junho com um saldo de R$ 51,56 milhões, apresentando a seguinte constituição: 

  • Succespar Varejo – SPVJ11 (52,03% da posição), 
  • Multi Renda Urbana – HBRH11 (40,15%), 
  • FII Rooftop – ROOF11 (5,47%), e 
  • TG Pactual Corporate Office Fund – BRCR11 (2,35%).

Distribuição de dividendos 

A distribuição de proventos em junho ficou em R$ 0,07 por cota. Ao todo, a distribuição foi de R$ 15,85 milhões aos cotistas, sendo R$ 14,53 milhões oriundos dos CRIs.

No book de permutas financeiras, o resultado foi de R$ 1,46 milhão, além de aproximadamente R$320 mil dos FIIs.

“A distribuição no mês para os detentores de cotas MXRF11 no valor da cota patrimonial (R$ 10,00) representa aproximadamente 229,60% do CDI no período, já livre de impostos, o que equivale a um rendimento de 270,11% do CDI se considerarmos um gross up de 15% de impostos.”

Monique Lima

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se