Modalmais adquire plataforma de educação financeira Investir Juntos

Modalmais adquire plataforma de educação financeira Investir Juntos
O Modalmais comprou a plataforma de educação financeira Investir Juntos

O banco digital Modalmais comprou a plataforma de educação financeira Investir Juntos, em um movimento para engrossar a oferta de produtos à sua base de clientes. As informações são do Valor Investe.

“O investimento em educação financeira nos ajuda a ter mais assertividade em nossa oferta de produtos”, afirmou o co-presidente do Modalmais, Cristiano Ayres.

Desse modo, com a compra da Investir Juntos, os executivos da empresa passam a integrar o time do banco digital. A ideia é a financeira aprender com a plataforma a orquestrar a experiência de venda do produto e levar o modelo para os clientes e não clientes, disse Ayres.

“Hoje, muitos clientes deixam os bancos, mas continuam sem saber como investir”, afirma Mário Medina, sócio-fundador da Investir Juntos. “Vi que existia um oceano azul para pegar na mão do cliente e ensiná-lo a se mover na jornada do investidor. Há grandes empresas operando, mas poucas conduzindo por essa lógica educacional. Ser bem assessorado significa saber o que está comprando.”

Modalmais busca melhorar acesso à educação financeira

Segundo o jornal, o Modalmais disse que um dos seus objetivos com a aquisição da Investir Juntos é melhorar o acesso à educação financeira e oferecer o produto eficiente para o investidor. As pessoas poderão investir tanto pela plataforma, que tem previsão para entrar no ar na semana que vem, quanto pelo banco digital.

“Queremos qualificar os clientes para que eles sejam investidores capazes de comprar sozinhos ou conversar de igual para igual com seus assessores para tomar as decisões”, salientou Ayres. “Disponibilizar o acesso a investimentos não é mais um diferencial significativo, todas as plataformas têm praticamente os mesmos produtos.”

Atualmente, o Modalmais possui mais de um milhão de clientes, com R$ 12 bilhões sob custódia. O banco pretende atingir o patamar de R$ 40 bilhões até o final do próximo ano.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião