MMX (MMXM3) é negociada a R$ 9 e cai 75% nos últimos 5 pregões

MMX (MMXM3) é negociada a R$ 9 e cai 75% nos últimos 5 pregões
A CVM analisará reclamação sobre possíveis responsabilidades referente "às oscilações extraordinárias" dos papéis da MMX (MMXM3) e da OSX (OSXB3).

As ações da MMX (MMXM3) operam em forte queda nesta terça-feira (20), marcando o quinto pregão consecutivo em baixa. Desde a última terça-feira (19), quando encerraram cotados a R$ 36, os papéis da mineradora já caíram mais de 75% — hoje, com uma queda que chegou a ser de 29%, as ações são negociadas a pouco menos de R$ 9. O Ibovespa, ao mesmo tempo, voltou ao patamar de 100 mil pontos após mais de um mês.

O mercado segue de olho no processo de recuperação judicial da mineradora do empresário e ex-bilionário Eike Batista. De acordo com o colunista do jornal “O Globo”, Lauro Jardim, a Sexta Câmara Cível do TJ-RJ julgará, no dia 4 de novembro, o pedido de falência da MMX. A companhia já tivera sua falência decretada pela Justiça, mas os advogados do empresário recorreram e conseguiram reverter a decisão.

A mineradora, que procura recuperar-se judicialmente  há quatro anos, é um dos destaques da Bolsa de Valores de São Paulo (B3) neste mês. Depois de iniciar outubro embalando uma alta de 1867%, saindo de R$ 2 para R$ 36, os papéis da empresa passaram a tombar dia após dia desde a última quarta-feira (14), quando despecou 52% em apenas um pregão.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

O movimento altamente instável dos papéis da companhia de Batista neste mês tiveram início após um fato relevante ter sido publicado no dia 30 de setembro, onde a empresa diz que registrou um pedido feito à Justiça para a retomada da extração de minério de ferro nas mina Emma e Lais. As minas ficam localizadas em Corumbá (MS), e são controladas pela mineradora Vetorial.

De acordo com a nota, a exploração da mina “pode ser de grande relevância econômica para a companhia”. A companhia afirmou que, caso obtenha sucesso na tentativa, “será possível viabilizar de forma ainda mais consistente a recuperação judicial” e potencializar a capacidade da empresa para a produção e venda da commodity.


Em comunicado divulgado na última sexta-feira (16), a Vetorial afirmou que detém legalmente a posse direta e exclusiva de toda a lavra da Mina Lais e da Mina Emma, e salientou que não há razões para especulações como as feitas pela mineradora de Eike.

Em meados de 2020, o empresário e acionista da MMX foi condenado a oito anos de prisão em regime semiaberto por manipulação do mercado de capitais com a divulgação de informações falsas referentes à operação de sua petroleira OGX. A companhia foi uma das mais famosas da Bolsa brasileira na década de 2000, mas se mostrou uma das grandes fraudes da história do mercado de capitais do País.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião