Semana do Fiagro

Méliuz (CASH3) fecha parceria com fintech, de olho em criptomoedas

Méliuz (CASH3) fecha parceria com fintech, de olho em criptomoedas
Méliuz. Foto: Divulgação/Méliuz

O Méliuz (CASH3) fechou uma parceria com a Liqi, fintech de ativos digitais em blockchain, informou a empresa nesta sexta-feira (20).

O objetivo, segundo comunicado ao mercado arquivado pela Méliuz, é tornar a operação em criptomoedas da companhia ainda mais robusta. A transação envolve potencial aquisição minoritária da Liqi, condicionada à performance de alguns indicadores.

“Com o acordo, o Méliuz passa a ganhar em liquidez na transação com criptomoedas, já que passa a ter acesso à compra de bitcoins em uma nova exchange, aumentando a facilidade de comprar e vender a criptomoeda no mercado, além de ampliar o portfólio de serviços. Vai gerar ainda mais oportunidades de engajamento e de cross sell com sua base de mais de 23 milhões de contas cadastradas”, afirma a empresa.

Conforme o anúncio, utilizando tecnologia em blockchain combinada com a segurança digital, a Liqi transforma ativos e negócios em frações digitais, chamadas de Tokens, para que se tornem mais acessíveis, aumentando a liquidez para diferentes tipos de ativos.

A Liqi possui um ano de existência, já realizou o lançamento da corretora própria e recebeu um aporte de R$ 27,5 milhões, liderado pelo Kinea Investimentos, Corporate Venture Capital do Itaú Unibanco (ITUB4), e outros novos sócios da startup.

Resultado do Méliuz no 1T22

O Méliuz teve prejuízo líquido consolidado de R$ 6,5 milhões no primeiro trimestre de 2022. Com isso, reverteu o lucro de R$ 3,017 milhões registrado no mesmo período de 2021.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado ficou em R$ 17 milhões negativos, contra R$ 7,6 milhões positivos um ano antes. No entanto, a cifra representa uma melhora de 67% em relação aos R$ 30,3 milhões negativos informados no quarto trimestre de 2021.

GMV (valor bruto de mercadorias) consolidado chegou a R$ 1,6 bilhão entre janeiro e março, alta anual de 66%. Do montante total, R$ 1,3 bilhão é referente ao Méliuz, R$ 197,7 milhões ao shopping internacional e R$ 43,2 milhões à Promobit.

No período em questão, as despesas operacionais totalizaram R$ 108,9 milhões, redução de 28% em relação ao trimestre anterior. Os gastos com cashback, destaque negativo do balanço anterior do Méliuz, fecharam em R$ 53,5 milhões, queda de 21% na mesma base comparativa, mas crescimento de 152% ante os R$ 21,2 milhões registrados um ano antes.

receita líquida do Méliuz atingiu R$ 90 milhões, recorde para um primeiro trimestre, representando alta de 74% na comparação anual, mas queda trimestral de 8%. A empresa atribui esse recuo ao maior reconhecimento da receita relativa ao período da Black Friday no próprio quarto trimestre.

Com informações do Estadão Conteúdo

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO