Marcopolo (POMO4) surpreende e lucra R$ 236 milhões; ações disparam 5%

A Marcopolo (POMO4) anotou um lucro líquido de R$ 236 milhões no primeiro trimestre de 2023 (1T23) conforme balanço divulgado no fim desta terça-feira (2). A cifra representa alta de 141% ante igual período do ano anterior.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-2.png

Com isso, o lucro da Marcopolo ficou acima dos R$ 130 milhões estimados pelo consenso Bloomberg de mercado.

As ações da Marcopolo, com a divulgação do resultado, sobem mais de 5% no intradia.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) subiu 470% para atuais R$ 292 milhões nos três primeiros meses do ano.

Cotação POMO4

Gráfico gerado em: 03/05/2023
1 Dia

A receita líquida, por sua vez, foi de R$ 1,6 bilhão, representando um avanço de 72,% ante igual etapa do ano anterior.

As projeções do consenso Bloomberg miravam R$ 1,47 bilhão de receita e R$ 165 milhões de Ebitda.

A produção consolidada da Marcopolo foi de 3.465 unidades no 1T23. No Brasil, a produção atingiu 2.975 unidades, 9,6% superior à do 1T22, enquanto no exterior a produção foi de 490 unidades, 32,8% superior às unidades produzidas no mesmo período do ano anterior

Segundo a companhia, isso se deu pelo melhor ambiente de mercado no pós-pandemia. Além disso, também colaboraram para o resultado da Marcopolo no 1T23 a evolução do mix de vendas com acréscimo de volumes de produtos com maior valor agregado, a recuperação de margens através do repasse de custos e a maior alavancagem operacional.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-1.png

XP recomenda compra das ações da Marcopolo

A XP recomenda compra para as ações POMO4, com preço-alvo de R$ 4,50.

“Após impactos duradouros da pandemia de COVID-19 nos níveis de produção da Marcopolo, estamos otimistas com as perspectivas de volume da empresa. Acreditamos que a recuperação da produção deve ser apoiada por fatores estruturais, tais como: tarifas aéreas mais altas versus passagens de ônibus interestaduais (apoiando a produção de ônibus rodoviários, que tendem a ser acretivas de margem da companhia); e o contínuo envelhecimento da frota operacional de ônibus, implicando uma aceleração da renovação dos ônibus”, observa a XP

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno