Incorporação da Lojas Americanas (LAME4) pela Americanas (AMER3) é aprovada; veja como ficam os papéis

Incorporação da Lojas Americanas (LAME4) pela Americanas (AMER3) é aprovada; veja como ficam os papéis
Lojas Americanas (AMER3). Foto: Divulgação.

A Lojas Americanas (LAME4) informou nesta sexta-feira (10) que seus acionistas aprovaram a incorporação da empresa pela Americanas (AMER3), resultando na extinção da companhia. A Americanas é resultado da união de negócios entre a Lojas Americanas e a B2W (BTOW3).

A empresa reuniu as lojas física da Lojas Americanas, além de uma participação de 57% na Ame Digital, com o e-commerce da B2W. As ações da B2W passaram a ser negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) com o ticker “AMER3“. As ações LAME4 e LAME3 deixarão de ser negociadas em 21 de janeiro de 2022. A Americanas terá apenas as ações AMER3 listadas na B3.

Como resultado da incorporação, os acionistas dos papéis LAME3 e LAME4 receberão, para cada ação que possuírem da companhia, 0,188964 da ação AMER3.

As eventuais frações de ações de Americanas decorrentes da incorporação serão agrupadas em números inteiros para, em seguida, serem alienadas em leilão na B3.

BTG muda preço alvo para ações da Americanas

As varejistas Via (VIIA3), Americanas (AMER3) e Magazine Luiza (MGLU3) figuram entre as maiores quedas do Ibovespa no ano. O cenário macro do País com alta da inflação, juros ascendentes e forte desemprego é desfavorável para o negócio dessas empresas.

Mas o BTG Pactual (BPAC11) ainda vê esperanças para duas delas: Magazine Luiza e Americanas. Já para a Via a situação está mais difícil, segundo o banco de investimentos.

Enquanto as ações AMER3 e as ações MGLU3 recebem recomendação de compra, com preço-alvo a R$ 45,00 e R$ 16,00, respectivamente, as ações VIIA3 receberam recomendação neutra, com preço-alvo de R$ 8,00.

Segundo os analistas do BTG, a empresa ainda tem valor para destravar após a combinação de negócios entre B2W e Lojas Americanas. E não só isso: a reorganização societária entre Lojas Americanas e Americanas também promete boas sinergias, de acordo com o banco de investimentos.

Em agosto, a companhia já havia anunciado que a combinação de LAME e B2W deveria gerar sinergias de R$ 2,3 bilhões até 2024 (custos ex-fusão), ou valor presente líquido (VPL) de R$ 1,6 bilhão.

Segundo o relatório, esses ganhos estariam relacionados à otimização dos investimentos em frete, marketing e tecnologia, além da estrutura financeira da empresa resultante.

Com isso, a recomendação do BTG para as ações da varejista é de compra, com preço-alvo de R$ 45.

“No valuation atual, a Americanas é negociada a 0,4x valor de mercado/valor bruto de mercadoria em 2022, implicando um potencial de valorização de 51% para nosso preço-alvo. Também incorporamos o Hortifruti Natural da Terra (HNT) aos nossos números (representando 6% do nosso preço-alvo)”.

Bruno Galvão

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO