Livraria Cultura planeja venda da plataforma Estante Virtual

A Livraria Cultura, informou nesta sexta-feira (16), que planeja vender sua plataforma online que atende cerca de 4 milhões de consumidores cadastrados, a Estante Virtual.

Em outubro de 2018, a Livraria Cultura não conseguiu pagar dívidas de, aproximadamente, R$ 285,4 milhões. Para evitar a falência, a livraria pediu recuperação judicial no mesmo ano.

A Estante Virtual, que foi comprada pelo grupo no fim de 2017, será vendida para que a Livraria Cultura possa manter suas atividades.

O prejuízo na compra da Estante Virtual

Em 2017, a negociação entre a Cultura e a Fnac para a compra da Estante Virtual causou espanto por conta da frágil situação financeira da Cultura na época.

Na última quarta-feira (14) a venda da Estante Virtual foi comunicada à Justiça de São Paulo. O negócio ainda precisa ser aprovado em assembléia de credores com previsão para o dia 5 de setembro.

Com a possível alienação da plataforma, os recursos obtidos serão preferencialmente revertidos para quitar despesas operacionais anteriores ao pedido de recuperação e quitação dos impostos, segundo a empresa.

A Cultura também quer utilizar os recursos da venda em ações de marketing, em uma tentativa de aumentar suas receitas e recompor o capital de giro.

A Estante Virtual terá seu valor avaliado por uma outra empresa de avaliação que será contratada.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-Dkp-1.png

“Assim como muitos outros grupos de empresas responsáveis e bem administradas, somos vítimas da profunda crise econômica que assola o país desde 2014”, afirmou a Cultura que também relatou que a incorporação da Fnac “prejudicou ainda mais o seu quadro de caixa deficitário”.

A Livraria Cultura afirmou que a plataforma Estante Virtual não possui mais “importância estratégica” para continuação das atividades.

Recuperação judicial da Livraria Cultura

O juiz Marcelo Barbosa Sacramone, da 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, homologou o plano de recuperação judicial da Livraria Cultura, em abril deste ano.

De acordo com a decisão do juiz, “os pagamentos deverão ser efetuados diretamente aos credores, que deverão informar seus dados bancários diretamente às recuperadas, ficando vedado, desde já, quaisquer depósitos nos autos”.

Saiba mais: Recuperação judicial da Livraria Cultura é homologada pela Justiça

A Livraria Cultura entrou com pedido de recuperação judicial em 25 de outubro de 2018, com o objetivo de reestruturar uma dívida de mais de R$ 285 milhões.

Rafael Lara

Compartilhe sua opinião