Light (LIGT3) precifica bonds de 5 anos a US$ 600 milhões

Light (LIGT3) precifica bonds de 5 anos a US$ 600 milhões
Foto: Gordon Johnson, por Pixabay.

A Light (LIGT3) precificou a emissão de US$ 600 milhões em títulos da dívida (bonds) de cinco anos no mercado internacional, com opção de recompra em três anos. A informação foi divulgada na última terça-feira (15).

Segundo o comunicado, os títulos serão emitidos pela Light SESA (US$ 400 milhões) e Light Energia (US$ 200 milhões) com garantia fidejussória da companhia.

Conforme fontes anteciparam à coluna Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, mais cedo, o retorno pago ao investidor, que representa o custo da operação para a empresa, ficou em 4,375%, abaixo da ideia inicial de ao redor de 4,5%.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Os recursos obtidos com a emissão, acrescenta a companhia em comunicado ao mercado, serão utilizados pela Light SESA e Light Energia para o pagamento de dívidas, incluindo as notes emitidas com vencimento em 2023, e para fins corporativos gerais.

Citigroup, Itaú BBA, Morgan Stanley e Santander são coordenadores globais, e o Bradesco BBI, o UBS Investment Bank e a XP Inc são coordenadores adjuntos. Os bonds receberam notas Ba3 pela Moody’s e BB- pela Fitch.

Light emite R$ 850 milhões em debêntures

A Light irá emitir um total de R$ 850 milhões em debêntures. Segundo o fato relevante divulgado no fim de maio, os papéis serão nominativos, escriturais, simples e não conversíveis.

A empresa utilizará o capital para pagar parte da implementação e do desenvolvimento dos projetos e infraestruturas do programa “Luz para todos”, que deve gerar gastos de até R$ 2,1 bilhões. Serão 850 mil papéis ao todo, cada um no valor de R$ 1 mil, com prazo de vencimento em abril de 2031, dez anos a contar da data emissão.

Em janeiro, a Light realizou um follow-on em que movimentou R$ 2,74 bilhões, precificando a R$ 20 por papel. Metade da oferta foi primária, com a companhia de energia elétrica colocando os recursos em caixa, e metade secundária, com a Cemig (CMIG4) vendendo toda a sua posição na empresa.

Com informações do Estadão Conteúdo. 

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO