Jeff Bezos faz aporte milionários no Stark Bank, startup brasileira

O bilionário e fundador da Amazon (AMZO34), Jeff Bezos, fez um aporte e uma rodada de investimentos de US$ 45 milhões para o Stark Bank, uma fintech brasileira.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-1.png

O investimento na Startup foi feito por meio da Bezos Expeditions, sua empresa de investimentos pessoais.

Além disso, o Stark Bank teve investimentos da Ribbit Capital – companhia americana especializada em fintechs que liderou a rodada —, SEA Capital, Lachy Groom e K5 Global.

“Precisamos dos melhores sócios diante do desafio que temos: ser o banco principal das grandes empresas, incluindo unicórnios e nomes tradicionais em transformação digital”, disse Rafael Stark, ao Estadão, após a notícia do aporte de Bezos.

A rodada de investimento deve dar capital para que a companhia passe a oferecer ainda mais produtos financeiros, como investimentos e linhas de crédito.

Segundo o executivo, o Stark Bank quer ser o “Nubank das grandes empresas” – sendo uma fintech que acirrará ainda mais a concorrência no setor.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Seus clientes já vão de Magazine Luiza (MGLU3) às grandes startups, como a Buser, a Loft e a Kovi.

No leque de produtos do banco, há o cartão corporativo, gestão de cobrança via boleto e Pix, fluxo customizado de aprovação de pagamentos, folha de pagamentos e outras soluções majoritariamente digitais.

“Para pessoa física ou pequenos negócios, o cliente quer fazer tudo no app e ter uma experiência fluida. Em uma grande empresa, o cliente não quer ‘poucos cliques’. Ele quer controle e escalabilidade”, disse, ao Estadão.

A fintech ‘nasceu digital’, como contou Bruno Braz, head de produtos da companhia, ao Suno Notícias. Atualmente toda a estrutura é baseada em escalabilidade, APIs e estratégias de crescimento.

A tese é de que, quanto mais empresas se digitalizando, um processo que foi acelerado com a pandemia, maior será a demanda por soluções financeiras totalmente digitais e personalizadas.

A vantagem, segundo os fundadores, é de que apesar de grandes players – como os ‘bancões’ e bancos de investimento – já estarem de olho no setor, as startups conseguem oferecer serviços personalizados melhores, já que possuem uma estrutura mais enxuta, o que faz crescer o interesse de grandes fundos e de megainvestidores, como Bezos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Antes de Bezos, outros gigantes já aportaram no Stark Bank

Além dos US$ 45 milhões levantados nesta rodada com a participação de Bezos, o Stark Bank recebeu um aporte de US$ 13 milhões, que teve participação de fundadores do Dropbox, do Rappi, da Wildlife e do Slack.

O cheque foi recebido há quatro meses atrás, de logo após a companhia demonstrar um crescimento expansivo, triplicando a receita e o volume de transações em três anos.

Foi justamente esse crescimento anualizado sucessivo que chamou atenção de grandes fundos globais, segundo o CEO da companhia. Com o capital a intenção, segundo o executivo, é de dobrar o quadro de funcionários até o fim do ano.

A startup que recebeu o aporte de Bezos, apesar disso, ainda quer manter um time ‘excepcional’, e mantém um rol de 60 colaboradores tendo cerca de quatro anos desde a sua fundação, em 2014.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião