Itaú prevê retração de 0,7% do PIB brasileiro em 2020

O Itaú Unibanco (ITUB3; ITUB4) reduziu nesta sexta-feira (20) sua projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em 2020. A instituição financeira prevê que a economia caia 0,7% neste ano ante uma alta de 1,8% da estimativa anterior.

A redução foi motivada pelos impactos da pandemia do novo coronavírus (covid-19). De acordo com o economista-chefe do Itaú, Mario Mesquita, o tempo de paralisação das atividades no Brasil deverá determinar o quanto a economia será afetada.

“Levamos em consideração em nosso cenário que nenhum país, estado ou município vai conseguir escapar da escolha entre priorizar a saúde pública ou a manutenção da atividade econômica. E isso terá impacto severo na atividade”, afirmou Mesquita.

Saiba mais: Coronavírus e Mercado Financeiro | Saiba quais oportunidades você pode estar perdendo

A instituição financeira prevê que a economia do segundo trimestre será a mais prejudicada. A estimativa é que a atividade recue 9,6% entre abril e junho. Por outro lado, o banco se mostrou otimista em relação ao terceiro trimestre, cujo avanço econômico deverá ser de 11,9%.

“Depois a gente vai ter uma retomada, mas isso é sujeito a rupturas, como quebra de empresas e outros fatores que transformariam esse choque transitórios em algo mais persistente”, afirmou o economista-chefe.

O Itaú estima também que a economia global apresentará contração de 0,4% neste ano. A projeção anterior previa um avanço de 2,7%.

Projeções do Itaú para Selic e IPCA

Além das projeções para o PIB, o Itaú divulgou também as novas estimativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e para a taxa básica de juros (Selic).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-Dkp-1.png

Para o IPCA, a nova projeção é de 2,9% em comparação a 3,3% do relatório anterior. Já para a taxa de juros, o banco estima que haverá um novo corte para 3,25%.

As projeções do Itaú são menores do que as dos especialistas ouvidos pelo Banco Central (BC) para a elaboração do Boletim Focus divulgado na última segunda-feira (16). Para a Selic, os analistas estimam 3,75% ao ano. Já para a inflação, a projeção é de 3,05%.

Giovanna Oliveira

Compartilhe sua opinião