IPCA-15 avança 0,40% em dezembro e fecha ano em 4,72%, segundo IBGE

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) registrou alta de 0,40% em dezembro, após ter subido 0,33% em novembro, informou na manhã desta quinta-feira, 28, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

O resultado ficou acima de todas as estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast, que iam de 0,17% a 0,35%, com mediana positiva de 0,25%.

Com o resultado anunciado nesta quinta, o IPCA-15 acumulou um aumento de 4,72% no ano de 2023, pouco aquém do teto da meta, de 4,75%, também superando as expectativas. As projeções iam de avanço de 4,30% a 4,66%, com mediana de 4,56%.

PIB, juros e inflação: veja as avaliações de Campos Neto sobre 2023

O presidente do Banco CentralRoberto Campos Neto, disse na última quinta-feira, 21, que não é verdade que o juro nominal recuou e o juro real não caiu. “O esforço monetário, ou distância para taxa neutra, é mais importante que juro real”, defendeu, em dia de divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

Ele reiterou que o Brasil fez um esforço monetário maior do que outros países e destacou que a maior parte da surpresa para baixo na inflação em 2023 foi no último trimestre. Por isso, ele defende que o ritmo de queda da Selic é apropriado para convergência saudável da inflação.

Já o diretor de Política Econômica do Banco Central, Diogo Guillen, disse que a desancoragem das expectativas é fator de preocupação e exige Selic contracionista.

Riscos à inflação

O presidente do Banco Central disse que há uma preocupação inflacionária se houver um consumo consistentemente subindo e investimentos caindo. “Se tiver consumo consistentemente subindo e investimento consistentemente caindo em algum momento você terá condições piores em termos de análise prospectiva de inflação”, comentou.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Investindo-no-exterior.png

Ele pontuou que o consumo é mais afetado pelos juros de curto prazo e investimento, por de longo prazo.

Campos Neto disse que, apesar da queda de investimentos, houve elevação em 2021 e 2022, o que não gera tanta preocupação pelo efeito cumulativo. O IPCA-15 acumulou um aumento de 4,72% no ano de 2023

Com Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Redação Suno Notícias

Compartilhe sua opinião