Resultados do 2T22

Investidor estrangeiro retira R$ 10 bilhões da bolsa em maio e penaliza Ibovespa

Investidor Estrangeiro retirou um volume de R$ 10,2 bilhões até a metade de maio, segundo dados oficial da B3 (B3SA3). A tendência de um fluxo saindo do país reverte a entrada massiva de capital estrangeiro nos três primeiros meses do ano, com aporte de R$ 68,4 bilhões até março, que motivaram as baixas sucessivas no dólar. Atualmente, com a mudança, a moeda americana voltou a ser negociada na faixa de R$ 5.

Já em abril a tendência era perceptível, com saída de R$ 7,7 bilhões. No acumulado de 2022, a B3 informa que o investidor estrangeiro já retirou R$ 17,9 bilhões da bolsa de valores brasileira. Nesse contexto, a pontuação da bolsa cai 7,5% nos últimos 30 dias, apesar da recuperação recente.

“A elevação da Selic provoca a entrada de investidores para o Brasil. Conforme aumenta a relação risco e retorno, economistas emergentes se tornam mais atrativos. Com a entrada de dinheiro estrangeiro, o real fica mais valorizado diante do dólar, assim tornando a inflação mais controlada, as aplicações em renda fixa mais atrativas e despesa a mais com juros da dívida pública, sendo estimado por economistas que os gastos com juros devem bater recorde neste ano”, explica Tacyo Munhoz, CEO e fundador da Oito Crédito Imobiliário.

A expectativa é de que, com a proximidade das eleições, a volatilidade do Ibovespa também deva aumentar, enquanto a liquidez deve diminuir com a saída dos investidores estrangeiros, indicam os analistas.

Além disso, o cenário global conta com uma inflação persistente e, por consequência, uma alta dos juros nos EUA que penaliza o investimento em renda variável de um modo geral.

Renda fixa ‘sobe’ em meio à saída do investidor estrangeiro

O cenário, conforme reportado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, a Anbima, é de alta no investimento em renda fixa.

Segundo um levantamento recente, o saldo de entrada de dinheiro em aplicações de renda fixa passa de R$ 100 bilhões no acumulado deste ano, ao passo que os fundos de renda variável reportaram saques de mais de R$ 23 bilhões no mesmo período.

A busca é por rentabilidade mas também por algum porto seguro, em um momento de mais turbulência nos mercados. A migração do fluxo de recursos ganhou ainda mais apelo com a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de elevar a Selic para 11,75%.

“Começamos a identificar esse movimento na metade do ano passado, quando internamente foi se concretizando um cenário de inflação e algum ruído político. Isso começou a gerar uma certa aversão ao risco“, diz o diretor da Anbima, Pedro Rudge.

“É uma inversão: o investidor estrangeiro reavaliou suas alocações e viram maior atratividade dos instrumentos de renda fixa, não apenas pelo desejo de mais rentabilidade, mas por produtos menos voláteis”, acrescenta.

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO