Apesar da inflação e da crise hídrica, setor de serviços puxará PIB, diz FGV

Apesar da inflação e da crise hídrica, setor de serviços puxará PIB, diz FGV
O PIB brasileiro avançou 0,6% em julho ante junho, segundo o Monitor do PIB divulgado nesta sexta-feira, 17, pela FGV - Foto: Divulgação

O avanço da imunização da população brasileira contra a covid-19 deve sustentar uma recuperação do Produto Interno Bruto (PIB) ao longo do segundo semestre de 2021, através do avanço no consumo de serviços, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No entanto, as pressões da inflação, que corroem a renda das famílias, e a crise hídrica, que aumenta custos do setor produtivo, geram incertezas sobre a velocidade da retomada do PIB.

A avaliação é do pesquisador Claudio Considera, coordenador do Núcleo de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

“Esses dois elementos (inflação e crise hídrica) criam um ponto de interrogação para o segundo semestre. Os próximos dois trimestres, na série com ajuste sazonal, devem vir positivos. O resultado pode ser comemorado, mas com cautela”, ponderou Claudio Considera.

O PIB brasileiro avançou 0,6% em julho ante junho, segundo o Monitor do PIB divulgado nesta sexta-feira, 17, pela FGV. Na comparação com julho de 2020, a atividade econômica cresceu 6,6% em julho de 2021.

“O resultado de julho foi positivo, o que era de se esperar, porque a economia está melhorando. Com o aumento do alcance da vacinação, você passa a ter um avanço crescente no consumo de serviços”, justificou Considera.

“A indústria teve crescimentos fortes em meses anteriores, agora amenizou um pouco, mas deve continuar crescendo, porque a desvalorização cambial protege a competitividade”, opinou.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das Contas Nacionais.

Na passagem de junho para julho, pelo lado da oferta, o PIB agropecuário cresceu 0,6%, enquanto o de serviços aumentou também 0,6%. Já o PIB industrial diminuiu 1,1%.

Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias aumentou 1,2% em julho ante junho, e o consumo do governo avançou 6,7%. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) despencou 5,3%. As exportações caíram 9,7%, enquanto as importações aumentaram 6,8%.

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 4,946 trilhões de janeiro a julho de 2021, em valores correntes.

A taxa de investimento da economia foi de 17,4% no mês de julho de 2021.

Ministério da Economia mantém projeção do PIB e piora a de inflação

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia manteve a projeção para o PIB e elevou a estimativa para a inflação, de 5,9% para 7,9%, por influência da alta nos preços dos combustíveis e energia elétrica.

No segundo trimestre do ano, o PIB teve recuo na margem de 0,1% em relação ao período anterior (com ajuste sazonal, já que são períodos diferentes) e cresceu 12,4% na comparação interanual, mostrando recuperação em relação à crise de 2020, segundo a SPE.

A pasta destaca que a redução no segundo trimestre se encontra próxima à estabilidade, em um trimestre com o maior número de mortes da pandemia de covid-19.

Apesar da queda do ritmo da atividade nesse período, os dados mensais de indicadores mostram que a recuperação da economia continua no terceiro trimestre.

A projeção do PIB para o período é de crescimento de 0,6% em relação ao segundo trimestre (com ajuste sazonal) e de 5% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

Com informações do Estadão Conteúdo

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!