iFood prorroga medidas de apoio a restaurantes por mais 15 dias

iFood prorroga medidas de apoio a restaurantes por mais 15 dias
iFood. Foto: Reprodução Facebook

O aplicativo de delivery de comida, iFood prorrogará por mais 15 dias as medidas de apoio aos restaurantes adotadas no início deste mês e que estavam previstas para se encerrar hoje. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (31).

De acordo com o aplicativo, serão mantidas as reduções de taxas para estabelecimentos que utilizam os serviços da startup, de 23% para 18% de quem opera a entrega via iFood, e de 12% para 11% de quem só utiliza o marketplace.

“Além disso, o repasse dos recebíveis vai continuar em até sete dias após a venda, sem taxa adicional, até 30 de junho, para todos os restaurantes ativos há mais de 30 dias na plataforma”, diz a companhia.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

A startup fundada em 2011 ainda continuará a oferecer linhas de crédito facilitadas, por meio do Banco do Restaurante iFood, com taxas e condições especiais. O objetivo é oferecer mais de R$ 500 milhões aos restaurantes em 2021.

Essas medidas foram adotadas pela companhia com a finalidade de apoiar bares e restaurantes diante do avanço da pandemia do coronavírus (covid-19) e das mediadas de isolamento.

As medidas tem o objetivo de sustentar o setor, que ainda não se reergueu da crise de 2020 e atualmente precisa do delivery para funcionar.

Veja também:

Cade bloqueia novos contratos de exclusividade do iFood

O iFood não poderá mais fechar acordo de exclusividade com estabelecimentos, de acordo com a decisão  da Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que anunciou no último dia 10  medida preventiva contra o aplicativo, após denúncia da Rappi sob o argumento de que a plataforma brasileira estaria adotando práticas anticompetitivas.

Com a decisão do Cade, além de não poder firmar novos contratos que contenham acordo de exclusividade. O aplicativo de delivery também não poderá alterar contratos já celebrados sem cláusula de exclusividade, para fazer constar a previsão restritiva, até decisão final do caso.

Com a medida preventiva, o iFood poderá manter os contratos com cláusula de exclusividade já firmados com parcela de restaurantes que integram a sua carteira. Contudo, no término da vigência, esses contratos somente poderão ser renovados contendo o dispositivo de exclusividade caso seja interesse de ambas as partes, e desde que a empresa observe o limite de um ano de duração, até decisão final sobre a ilicitude ou não da conduta pelo Cade.

Com informações do Estadão Conteúdo

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião

Receba os destaques que irão movimentar o cenário econômico antes da abertura do mercado.

Inscreva-se