Ibovespa sobe com forte alta da Vale (VALE3); Marfrig (MRFG3) dispara 10,7% e Minerva (BEEF3) tomba 18,3%

O Ibovespa encerrou o pregão de hoje (29) em alta de 1,10%, aos 118.403,61 pontos, próximo a máxima do dia, que foi 118.493,13 pontos, enquanto a mínima fora de 117.123,70 pontos. O volume financeiro somou R$ 20 bilhões.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-1.png

Faltando ainda duas sessões para o fechamento de agosto, o Ibovespa chegou nesta terça-feira, 29, apenas ao quinto ganho diário no mês – o segundo consecutivo -, retomando agora a linha dos 118 mil pontos. Apesar da extensão das perdas que se sucederam na maior parte do mês, a dimensão do ajuste negativo foi discreta, limitada agora a 2,90% em agosto. Nas últimas seis sessões, desde o dia 22, o índice alternou-se entre ganhos duplos e perdas duplas, obtendo assim quatro das cinco altas desde 1º de agosto, após ter enfileirado quedas em todas as sessões do mês até o último dia 17.

Na semana, o Ibovespa avança 2,22% nessas duas primeiras sessões, recolocando o ganho acumulado no ano a 7,90%. Com a recuperação aos poucos em andamento, o nível de fechamento, hoje, foi o maior desde 9 de agosto quando o Ibovespa mostrava patamar semelhante (118.408,77 pontos).

O Ibovespa terminou a sessão desta terça alinhado com as Bolsas de Nova York, que também avançaram no dia de hoje (29).

  • Dow Jones: +0,85%, aos 34.852,87 pontos;
  • S&P500: +1,45%, aos 4.497,77 pontos;
  • Nasdaq: +1,74%, aos 13.943,76 pontos.

Enquanto isso, o dólar à vista terminou o dia em baixa de 0,42%, a R$ 4,8546. Na mínima diária, a cotação era de R$ 4,8495.

“Foi um dia positivo para os mercados em geral, e um grande catalisador foi o indicador sobre vagas de emprego nos Estados Unidos, o relatório Jolts, abaixo do esperado, que resultou em ajuste na perspectiva para os juros do Federal Reserve, que na visão do mercado, agora, podem ficar estáveis até março do ano que vem”, diz Rodrigo Moliterno, head de renda variável da Veedha Investimentos. Dessa forma, os rendimentos dos Treasuries recuaram na sessão, “um otimismo que se refletiu em impulso à Bolsa”, acrescenta.

“Os futuros do Ibovespa estão em torno dos 120 mil pontos, em recuperação, com commodities, mineração e siderurgia ainda buscando refletir as iniciativas na China para tentar reaquecer o mercado acionário. E o setor financeiro também melhora aqui, com a possibilidade de o JCP a distribuição de juros sobre capital próprio não ser encerrado, mas sim sofrer algum tipo de mudança nas regras, em relação à tributação”, acrescenta Moliterno.

A maior alta do Ibovespa hoje teve como protagonista a Marfrig (MRFG3), que subiu 10,70% após vender seus ativos para a Minerva (BEEF3), que caiu 18,26% e liderou as quedas.

No noticiário corporativo, o anúncio da venda de 16 unidades de abate da Marfrig, por R$ 7,5 bilhões, colocou a ação do frigorífico na ponta do Ibovespa, em alta de 10,70% no fechamento. Por outro lado, a Minerva, compradora das unidades da Marfrig, caiu hoje 18,26%, por temores quanto ao nível de endividamento da empresa, que pode aumentar com a operação, na visão inicial do mercado.

Os maiores ganhos do dia seguiram com CVC (CVCB3), que subiu 6,36%, Locaweb (LWSA3), com +4,42%, e IRB (IRBR3), com valorização de 4,07%.

Além da Minerva, as perdas mais relevantes de hoje foram Pão de Açúcar (PCAR3), com -4,18%, e Petz (PETZ3), com baixa de 2,78%.

Entre as ações de maior peso no Ibovespa, Vale (VALE3) disparou 3,19%, Petrobras ON (PETR3) subiu 0,37% e Petrobras PN (PETR4) avançou 0,22%, apoiando a alta do Ibovespa hoje.

Foi um dia bem positivo também para outros nomes do setor metálico, como Gerdau Metalúrgica (GOAU4), +2,67%, na máxima do dia no fechamento, e CSN (CSNA3), +1,84%. Entre os grandes bancos, destaque para Unit de Santander (SANB11), em alta de 2,72% no fechamento desta terça-feira.

Maiores altas e baixas do Ibovespa hoje

O que movimentou o Ibovespa hoje?

Segundo Elcio Cardozo, especialista em mercado de capitais e sócio da Matriz Capital, o Ibovespa hoje operou em alta moderada, em meio ao avanço dos mercados mundiais, influenciados, sobretudo, pelos dados de emprego nos EUA, que ficaram abaixo do consenso de mercado, o que poderia indicar uma desaceleração econômica local.

“Com isso, há indícios que a inflação possa ser controlada com aumentos mais brandos de juros por lá. Após a divulgação dos dados, os treasuries americanos, que operavam em estabilidade passaram a operar em forte queda”, explica Cardozo.

O grande destaque de alta do Ibovespa hoje (29) foi mesmo a Marfrig, que chegou a alcançar uma alta de 15% pela manhã e continuou operando em alta, após anunciar a venda de ativos para a Minerva (BEEF3), fato que pode reduzir a alavancagem da empresa. O negócio foi bem visto pelo mercado para a Marfrig, mas não para a Minerva, que desabou neste pregão.

O IRB (IRBR3) também avançou hoje (29), em continuidade ao seu recente movimento de alta, que começou em fevereiro de 2023.

Entre as altas do Ibovespa também está a Vale, que mostra sinais de recuperação, assim como todo o setor de mineração mundial.

Já o GPA (PCAR3) caiu mais de 5%, depois que o BTG rebaixou a recomendação de suas ações de “compra” para “neutro”.

“Os juros futuros operaram em queda. Na minha visão, estão em sintonia com os treasuries americanos, que operam em forte baixa após os dados de emprego abaixo do consenso de mercado nos Estados Unidos”, concluiu Cardozo.

Último fechamento do Ibovespa

O Ibovespa terminou o pregão de ontem (28) em alta de 1,11%, aos 117.120,98 pontos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

João Vitor Jacintho

Compartilhe sua opinião