Haddad cita inflação e diz que desempenho da economia brasileira superou expectativas ao FMI

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, enfatizou a conjuntura global desafiadora e a surpresa positiva do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano durante reunião do Comitê do Fundo Monetário Internacional (IMFC, na sigla em inglês), conforme discurso obtido pelo Broadcast. Durante sua fala, ele voltou a defender a importância da reforma das cotas dos membros do organismo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-2.png

“O desempenho da economia brasileira superou as expectativas com um crescimento resiliente e inflação em queda”, disse Haddad, segundo fontes. Em seguida, o ministro teria citado a revisão do FMI para o crescimento econômico do País em 2023, de 0,9% em abril para mais de 3% no relatório econômico do Fundo publicado essa semana, durante as reuniões anuais, que acontecem em Marrakesh, no Marrocos.

No trecho do discurso que dedicou ao Brasil, Haddad teria citado a aprovação do novo arcabouço fiscal e a aprovação da reforma tributária na Câmara, com impacto estimado de 5% no crescimento do País no longo prazo.

“O novo arcabouço fiscal e o conjunto de medidas na área da arrecadação reforçaram a confiança na sustentabilidade fiscal do Brasil”, disse Haddad, durante discurso ao Comitê do FMI.

Outro ponto de atenção da sua fala foi em relação ao Plano de Transformação Ecológica do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que deve permitir ao Brasil estrear no mercado de ‘green bonds’, de títulos de dívida externa com compromissos sustentáveis. Nas palavras do ministro, trata-se de uma reconciliação economia do desenvolvimento econômico e progresso social com a proteção do meio ambiente e uma oportunidade ao Brasil.

Como tem feito nas reuniões anuais em Marrakesh, Haddad também aproveitou o momento para falar da presidência brasileira no G20, grupo que reúne as maiores economias do mundo. Ele teria reforçado o foco do País na posição que é “trabalhar para fomentar a inclusão social e combater a fome e a pobreza no mundo, focando na transição energética e no desenvolvimento sustentável nas suas três dimensões, social, econômica e ambiental”.

Ao comentar sobre a economia mundial, o ministro classificou a conjuntura global como “claramente desafiadora”. “Embora a inflação tenha caído, o chamado pouso suave da economia global ainda não está assegurado”, disse, mencionando ainda o aumento dos riscos de fragmentação geoeconômica. “Os recentes eventos geopolíticos agregam estresse a um ambiente já sobrecarregado”, avaliou.

O ministro brasileiro voltou a reforçar o multilateralismo como a saída para os desafios globais, mas enfatizou a necessidade de “instituições representativas e baseadas em regras transparentes”. Segundo ele, a reforma de cotas do FMI é uma “questão crítica”.

O aumento no valor das cotas e o realinhamento devem ser feitos em conjunto para que o FMI tenha recursos e legitimidade para cumprir o seu “papel central” na arquitetura financeira global, defendeu o ministro. “O Brasil não pode concordar com a proposta de fazer, pela primeira vez na história, um aumento no valor das cotas sem qualquer realinhamento”, alertou Haddad, acrescentando que se isso não for possível agora, caminhos alternativos têm de ser encontrados e que o Brasil não ganharia com isso.

Selic: Haddad marcará conversa com Campos Neto

O atual ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que irá marcar uma conversa com Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, acerca do ritmo de queda da Selic.

Haddad declarou ainda na quinta (12), durante um evento do Fundo Monetário Internacional (FMI), que conversaria com o presidente do Banco Central sobre a Selic.

“Eu não tive a oportunidade de conversar com ele ainda, porque o contexto em que ele falou, eu preciso entender melhor. Porque tem várias formas de ter dito isso. Inclusive, como uma forma de manter o propósito de que os cortes continuem no passo que estão. Eu vou conversar com o Roberto”, disse Haddad.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/Lead-Magnet-1420x240-1.png

Vale destacar que ainda recentemente Roberto Campos Neto deu declarações sobre o ritmo de cortes da taxa de juros.

Segundo informações do Broadcast, em uma reunião com o Itaú BBA, Campos Neto disse que há mais chance de os próximos cortes ficarem abaixo da magnitude prevista – que é de 0,5 ponto percentual (p.p.) -, com o BC cortando 0,25p.p., em vez de acelerar o ritmo para 0,75p.p.

Na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a autoridade monetária decidiu pelo corte de 0,50p.p. e reafirmou que espera mais cortes de igual magnitude em 2023.

Ainda restam duas reuniões do Copom antes do fim do ano – uma entre outubro e novembro e outra em meados de dezembro.

A taxa atual é de 13,25%, dado o corte de 0,50p.p. da última reunião, quando os juros estavam em 13,75%.

Com Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Redação Suno Notícias

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno