Semana do Fiagro

Guedes afirma que está confiante sobre a aprovação da Reforma do IR

Guedes afirma que está confiante sobre a aprovação da Reforma do IR
Guedes tem se reunido com o MME e o Presidente da Petrobras recentemente, para discutir soluções para alta da gasolina - Foto: Najara Araujo, Câmara dos Deputados.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que está confiante de que o Senado seguirá o caminho da Câmara e aprovará a reforma do Imposto de Renda. A declaração foi realizada em evento do Credit Suisse.

Guedes repetiu que o espírito da reforma é seguir a Organização para Cooperação e Desenvolvimento (OCDE), voltando a taxar lucros e dividendos e desonerando as empresas.

O ministro da Economia disse que, inicialmente, queria reduzir a tributação do faturamento corporativo de 34% para 21,5%, mas não conseguiria compensação e, então, aceitou na negociação a queda de 8 pontos percentuais, para 26%.

Mas repetiu que, se a arrecadação surpreender e houver superávit, vai passar esse ganho em novas redução de carga tributária.

Para pessoas físicas, Guedes disse que a correção da tabela do Imposto de Renda vai beneficiar 32 milhões de contribuintes e acrescentou que o governo não vai mexer nas alíquotas, pois se houver inflação à frente, as pessoas pagariam imposto inflacionário.

“Queremos que todos saibam que inflação é perda para todos”, disse.

O ministro disse que o governo vai continuar privatizando estatais até o fim do mandato e que o desinvestimento é o caminho para reduzir a relação dívida/PIB. “Vamos vender os Correios, vamos vender a Eletrobras (ELET3) este ano, imóveis”, disse, no evento do Credit Suisse.

Também comentou que o presidente da Câmara, Arthur Lira, está a favor de sua proposta de desvincular e desindexar a economia, uma herança do período de hiperinflação, que dificulta o planejamento e a execução orçamentária.

Guedes diz acreditar em solução para precatórios dentro do teto de gastos

Ainda no evento do Credit Suisse, o ministro afirmou que se reunirá na próxima semana com os presidentes das duas Casas do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF) para discutir o pagamento dos precatórios em 2022.

“Acredito que encontraremos uma solução para precatórios respeitando o teto de gastos”, afirmou.

Na quinta (9), o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), apresentou uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que retira os precatórios do teto de gastos (regra que limita o crescimento das despesas à variação da inflação).

“É nosso dever alertar outros poderes de que suas decisões têm consequências econômicas”, disse Guedes nesta sexta.

Com informações do Estadão Conteúdo

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO