Gripe aviária: Japão deixa de importar frango de SC, diz Ministério

O Ministério da Agricultura confirmou que o Japão suspendeu a importação de aves vivas e carne de aves de Santa Catarina, após a notificação de um foco de gripe aviária em produção de subsistência (fundo de quintal) no Estado.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Em nota divulgada no fim da noite desta segunda-feira (17) a pasta esclareceu que o Ministério da Agricultura, Florestas e Pesca do Japão (MAFF) comunicou a decisão ao Brasil até que o governo brasileiro encaminhe informações detalhadas sobre o caso de gripe aviária.

De acordo com o ministério, os esclarecimentos demandados pelo Japão foram enviados ainda nesta segunda.

“O ministério segue trabalhando para que o impacto das restrições seja o menor possível aos exportadores brasileiros. O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, lidera uma delegação oficial que se reunirá com autoridades japonesas em Tóquio, na próxima semana, no intuito de que as autoridades do MAFF ajustem as exigências de importação de aves e seus produtos às diretrizes da Organização Mundial de Saúde Animal (OMSA)”, observou a pasta, em referência à determinação do Japão contrariar a recomendação da OMSA.

O Código Sanitário de Animais Terrestres da OMSA prevê que as notificações em aves silvestres e ou de subsistência não comprometem o status do Brasil como país livre de influenza aviária de alta patogenicidade (IAAP) e não trazem restrições ao comércio internacional de produtos avícolas brasileiros.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Casos de gripe aviária foram registrados em Maracajá

A suspensão do Japão ocorre após o registro de um foco de IAPP em aves de criação doméstica no município de Maracajá, confirmado pelo Ministério no último sábado (15).

De acordo com a pasta, no local encontravam-se múltiplas espécies de aves – galinha, galinha-d’angola, faisão, ganso, pato, perdiz e peru -, as quais eram criadas soltas e não eram destinadas à produção comercial.

Segundo a pasta, a propriedade tem uma pequena área alagada (açude), onde circulam aves silvestres de vida livre.

“Diante da situação, o ministério informa que a propriedade está interditada desde o primeiro atendimento realizado pelo Serviço Veterinário Oficial (SVO). Após a confirmação, todas as aves foram eutanasiadas e as carcaças foram destruídas e enterradas”, esclareceu a pasta na nota.

O Japão já havia embargado as importações de produtos avícolas do Espírito Santo por um caso semelhante.

Com Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Eduardo Vargas

Compartilhe sua opinião