Grendene (GRND3) reabrirá parcialmente unidade no Ceará em 22 de junho

Grendene (GRND3) reabrirá parcialmente unidade no Ceará em 22 de junho
Grendene (divulgação)

A Grendene (GRND3) informou, nesta segunda-feira (15), que as atividades de sua fábrica no município de Sobral, no Ceará, permanecerão suspensas até o dia 21 de junho, esperando voltar a operar no dia seguinte, na próxima segunda-feira (22).

A informação, divulgada pela Grendene por meio de um fato relevante, atende a determinação do decreto municipal de 13 de junho.

Segundo a companhia, mesmo com a volta das atividades na próxima semana, será realizada a redução da jornada e dos salários em 70%, conforme a Medida Provisória (MP) 926 e acordo com o Sindicato dos Empregados de Sobral.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

No perído entre esta segunda-feira e o próximo domingo (21), a empresa informou que os colaboradores estão dispensados utilizando o banco de horas. Qualquer evento subsequente não previsto no processo de reabertura da planta será informado ao mercado, de acordo com a Grendene.

Grendene registra queda de 61% no lucro líquido

A Grendene registrou um lucro líquido de R$ 29,7 milhões no primeiro trimestre deste ano. Esse valor é equivalente a uma queda de 61,1% em comparação com o mesmo período de 2019.

A receita líquida da empresa contabilizou R$ 372,2 milhões, baixa de 12,1%.O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) teve queda de 21% e ficou em R$ 60,8 milhões.

“Com o agravamento da doença e o isolamento social imposto, deixamos de faturar nos últimos dias de março, período em que se concentra a maior parcela do nosso faturamento mensal”, informou a companhia.

A Grendene ressaltou que “continuou seus esforços para adequar sua estrutura de custos. As despesas operacionais recuaram 18,2% em relação ao mesmo período do ano passado, totalizando queda nominal superior a R$25 milhões”. A empresa salientou que no primeiro trimestre deste ano houve uma despesa comercial, não recorrente, devido à rescisão de alguns representantes no valor de R$14 milhões.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião