PROVENTOS

Patrocinado por:

RBCO11: Fundo Imobiliário registra inadimplência de inquilino

RBCO11: Fundo Imobiliário registra inadimplência de inquilino
Foto: Pixabay

O RBCO11, ou RB Capital Office Income – fundo imobiliário de lajes gerenciado pela gestora de mesmo nome -, anunciou na manhã desta segunda-feira (3) que o atraso do pagamento de um dos seus inquilinos impactou a distribuição de proventos de R$0,03 centavos por cota.

“O Administrador e o Gestor estão envidando todas as medidas cabíveis para a cobrança, preservação dos direitos e interesses do Fundo e de seus cotistas, bem como buscando a regularização do atraso do locatário com a maior brevidade possível” afirmaram as RB Capital e a BRL Trust, esta a administradora do RBCO11.

A baixa no faturamento, porém, foi mitigada pela antecipação do pagamento de outro locatário, que representou um aumento de $0,08 nos dividendos por cota no mês de abril de 2021.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

RBCO11 já havia registrado inadimplência no Rachid Saliba em março

O RBCO11 distribuiu, em março, R$ 0,42 por cota, sendo que neste mês o FII já havia anunciado sobre um problema com a inadimplência de um dos seus locatários do prédio Rachid Saliba, localizado na rua Bela Cintra, na capital de São Paulo. Neste caso, a situação que acontece agora se repetiu: com o valor pago de forma antecipada por outro inquilino o fundo conseguiu estabilizar a distribuição de dividendos.

O RBCO11 possui quatro prédios, todos em São Paulo, e apenas o Rachid Saliba se encontra com locadores com aluguel atrasados – cerca de 26%, no último relatório, apresentavam déficit nos pagamentos. O prédio em questão representa 29% da área bruta locável do FII em questão.

Atualmente, o prédio em questão está 90% locado: com uma receita potencial de R$ 822,7 mil por mês (22% do FII), ele entrega, atualmente, apenas R$ 472,9 mil, com 43% de vacância financeira.

Entre os inquilinos do prédio do RBCO11, se destaca o setor de tecnologia, mas há entre as empresas locadores também representantes do setor editorial, de logística e de e-commerce.

Vitor Azevedo

Compartilhe sua opinião