Balanços da semana

FMI crítica ineficácia da gestão governamental Brasileira

O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou relatório nesta sexta-feira (30) apontando que o Brasil possui pouca eficácia em diversas áreas da economia. A instituição ainda fez uma série de recomendações para que o país consiga se “ajustar”.

“As áreas que apresentam deficiências mais significativas são as de priorização estratégica dos investimentos e avaliação e seleção de projetos. Existe carência de orientação do alto escalão quanto às prioridades, e fraca coordenação entre os níveis de governo. Não há diretrizes centrais sobre seleção e avaliação de projetos”, apontou o relatório feito pelo FMI.

Fundo Monetário internacional ainda salientou que as dificuldades governamentais afetam toda a escala econômica.

“Frequentemente, essas deficiências resultam em projetos de baixa qualidade, o que afeta sua implementação. Isso, juntamente com a carência de capacidade em nível subnacional e em alguns ministérios executores, gestão deficiente de projetos e financiamento incerto, contribui para a má execução dos projetos, excesso de custos, atrasos e infraestrutura de baixa qualidade”

Saiba mais: PIB brasileiro cresce 0,8% no 3º trimestre de 2018

A instituição também comentou sobre a ineficácia do investimento público Brasileiro. Além de fazer um comparativo com outros países.

Segundo o documento, o investimento nacional teve média de 2% do PIB entre os anos de 1995 e 2015. Enquanto nos países da América Latina, a média é de 5,5%. Já os países emergentes investem 6,4%.

Sugestões

O órgão internacional apontou algumas ações que o governo brasileiro deveria seguir.

A revisão das despesas obrigatórias e das práticas de indexação, além de uma nova política interna que estipule uma meta formal de endividamento, estão entre as sugestões.

Também foi destacado que o governo deveria priorizar os projetos de desenvolvimento e tentar maximizar os custos.

Saiba mais: Mourão afirma que capital estrangeiro é “bem-vindo” se destinado a obras

FMI ainda defendeu a flexibilização do orçamento nacional.

Mateus Vasconcellos

Compartilhe sua opinião